domingo, 31 de outubro de 2010

Madrasta arrasta enteado para caminhada nocturna

Pronto, juntou-se o útil ao agradável. A madrasta estava a desesperar por se movimentar, andar e caminhar, o enteado estava desesperado por ir passear a cadela e assim fomos os dois andar, debaixo de algum vento e a "fugir" a um filhote rebugento que queria vir connosco, e felizmente não choveu durante o nosso passeio de 2 kms...
De qualquer forma, ambos fomos munidos de corta-ventos, botas e chapéus-de-chuva e conversámos imenso.
Passaram dez anos desde que sou madrasta e olho para o meu enteado e constato como está crescido ainda que pouco amadurecido nas posturas e nas conversas mas acho que os rapazes de 11 anos são todos assim, creio que as meninas crescem mais depressa...
Sinto que seremos sempre assim amigos. Não tenho nenhuma "fricção" ou embirração com o meu enteado que é tão mais sossegado do que o meu próprio filho...
Enfim, às vezes sinto-me um pouco uma madrasta extraterrestre, no bom sentido do termo é claro ainda que quando o meu enteado fez 4 anos, eu tivesse parecido realmente a personagem do filme com tantos bolos e pudins que coloquei na mesa para comemorar o seu aniversário...

1 comentário:

Isabel disse...

Eu conheci-vos aos três e na altura achei que o teu enteado era um miúdo cheio de sorte! ;-)
E tu também, porque ele é muito querido! :-)
Acho que vocês têm uma relação fantástico e admiro-te (também) por isso.
Um enorme beijinho!