quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Eram quase 22h, estava neblina e muita humidade no ar

Saí mais tarde do trabalho.
Chegada a casa e depois de deixar o emprego, peguei ao serviço no outro. Coloquei o avental, pus roupa a lavar, fiz sopa, fiz o jantar, fiz a minha sandes para o almoço de amanhã pós ginástica, pus a mesa, dei banho ao filhote e entretanto o pai chegou e acabou de o vestir. Lá fui eu tratar do WC, de estender a roupa e terminar o jantar.
Entretanto o filhote fez uma birra imensa porque não queria a sopa nem queria sair do meu colo, à mesa, e eu em vez de apoiar o pai a ralhar, deu-me vontade de rir quando ouço o ar afltito do filhote a dizer "não, não quero!!!" a uma ameaça do pai em passar um dia na creche com ele e com os amiguinhos para o ver comer a sopa não passada e cheia de legumes que servem por lá mas que em casa se recusa a comer nalguns dias...
Bem, finda a birra e findo o jantar, fui levar o lixo e a reciclagem. O ar era fresco e húmido, rodeado de uma neblina que ameaçava tornar-se num nevoeiro cerrado nas ruas desertas e silenciosas. Eram quase 22 horas mas o meu desejo por me mexer, ainda que tivesse ido ao ginásio à hora de almoço, sobrepôs-se ao frio e ao receio do que possam pensar de mim por andar de noite na rua a andar...
Cheguei a casa, ainda coloquei um saco novo no lixo e larguei o emprego doméstico para vestir o casaco, pegar na cadela e ir apenas andar. Andámos um pouco menos do que é costume (1,5 Km) e isso reflectiu-se nas poucas calorias gastas mas aqueles 15 minutos souberam pela vida...
Felizmente encontrei pelo caminho um grupo de caminhantes, devidamente equipados. Eu tem dias... Há dias em que mudo de roupa, há outros em que vou caminhar com a roupa do dia...

1 comentário:

Lagoa Verdusca disse...

A vida hoje é uma correria, não é? E eu ainda nem tenho filhos...

Ontem, o meu momento zen de final de dia foi a rega das couves da mini-horta das traseiras às 10 e tal da noite. A sentir o frio no corpo, que bom!

Beijos e sai fora neura!!!