terça-feira, 9 de novembro de 2010

Eu quero a mãe!!!

E este foi o grito de ordem chegados a casa... O meu filho anda deveras birrento, teimoso e com ataques de mau feitio que nos fazem levar as mãos à cabeça...
Hoje foi porque queria que fosse eu a dar-lhe banho e a vesti-lo e não o pai...
Ora estando eu na maratona das tarefas domésticas, a fazer sopa, a colocar roupa a lavar, a fazer isto e aquilo, o pai foi dar banho ao filhote.
Mas qual quê... Desatou num berreiro infindável que o fez ficar vermelho e chorar muito. Inicialmente custou-me, doeu-me o coração e estive quase a vacilar mas tendo em conta o seu (mau) comportamento ultimamente, não dei o braço a torcer e foi o pai que lhe deu banho e que o vestiu. Gritou o tempo todo e depois disto tudo e de estar despachado, conversei com ele, deu-me um abraço e agora está calmo e sossegado.
Que picos de 'stress' que tem havido cá por casa com as teimosias do filhote... 'Finca o pé' e nunca mas nunca desiste das suas ideias nem do que quer. Há momentos em que é desgastante e em que me pergunto se com um filho do sexo feminino também seria assim... Tenho o meu enteado mas é rapaz e em 11 anos de vida, digamos que fez no máximo umas três birras... Em 4 anos de vida o filhote já fez mais travessuras, marotices e birras do que o mano na sua vida toda...

5 comentários:

Luísa disse...

Posso atestar que com um membro do sexo feminino era igual ;-)
Para me ajudar a gerir estes humores deles tenho lido um livro que me tem ajudado a ver as coisas de outro ângulo e a questionar o meu modo de reagir perante as situações. Parece estar a funcionar... Chama-se "Mãe minuto" e há também um que é o "Pai minuto"(eu ando a ler os dois). Foi uma sobrinha, que esteve cá no aniversário do André, que me falou dele.
Podes ver aqui: http://www.wook.pt/ficha/a-mae-minuto/a/id/80608
beijinhos grandes

Algures no Oeste disse...

LUÍSA: Vou procurar... Vindo de ti, de certeza que é uma óptima sugestão ;)
Beijinhos grandes.

mamã da princesa disse...

Como mãe de uma menina posso garantir que é igual... pelo jeito não há diferenças entre ser rapaz ou rapariga, nesta matéria!
Irra que teimosa com ela duvido que haja igual. Chega a tirar-me do sério.
Tenho um livro, na mesa de cabeceira, ao qual de vez em quando dou uma olhadela quando me sinto mais "aflita" que se chama qualquer coisa como "Vindos do céu" ou algo do género, do Circulo de Leitores.
Por vezes dá para esclarecer ideias!

Beijinhos e haja paciência.

Cris disse...

Foi o que fizeste melhor - não o deixar vencer.

À conta dessas coisas hoje sou eu a fazer tudo, porque a minha rica filha está habituadinha à mãe :-( Se eu não estiver, o pai dá-lhe banho, a comida, tudo, agora se eu estiver, ninguém me substitui :-( Nem a avó, com quem passava os dias inteiros...

Mea culpa!

Beijoca.

Rita Ferreira disse...

Acho que fizeste muito bem, porque é nesta idade que ele vai começar a compreender que a liberdade dele acaba quando a dos outros começa. E que se fizerem tudo o que ele quer vai ter sérios problemas de personalidade um dia mais tarde: ou se torna num paravlhão mimado e insuportável ou aprende que as necessidades dos outros são tão importantes como as dele.
Kudos Mom!