quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Pela primeira vez sinto-me naba nas novas tecnologias

Tinha o mesmo telemóvel há quase 4 anos. Rendeu imenso e desde o início que percebi que era lento e que bloqueava muitas vezes. No entanto, durou todo este tempo e se agora tive que mudar foi porque chegou ao seu limite em termos de funcionamento, já não tinha luz interna e ligava-se e desligava-se sozinho.
Comprei um novo telemóvel, baratinho porque a vida não está para grandes gastos, mas é muito giro e cheio de funcionalidades e pela primeira vez na minha vida, eu que sou tão à frente em novas tecnologias, sinto-me a ficar para trás.
Ainda por cima tem ligação grátis à internet durante vários meses...
Para já teve que se fazer um novo cartão (com o mesmo número) porque o antigo já nem dava neste modelo de telemóvel. A brincar, este cartão tem uns sete anos... Logo aí não sabia que havia novos modelos de cartões telefónicos (dah!) e depois o rapaz da loja começa a falar em passar os contactos e o conteúdo para o novo, que se fazia assim e assado. Ei! Calma aí que eu que sou rápida nestas coisas estou assim para o lento.
E depois pareço uma naba a ver o telemóvel, mal consigo escrever mensagens, não dá jeito nenhum e agora tenho o telefone vazio de conteúdos e de contactos. O que ainda me vale é ligar o antigo com o antigo cartão lá metido e assim tenho acesso a tudo o que lá estava...
E isto fez-me sentir a ficar ultrapassada e assim prever que daqui a uns anos o meu filho será muito mais entendido nestas "coisas" do que eu, tal como já o é o meu enteado em relação a consolas, PSPs e afins, das quais não percebo nada.
E volto a dizer que me considero muito à frente e rápida em relação a computadores e novas aplicações.
Estará o meu cérebro a ficar cansado quase aos 40 anos ou pura e simplesmente o meu cérebro decidiu, quase aos 40 anos, prestar atenção e memorizar apenas o que realmente faz falta e é importante... Aposto mais na segunda hipótese...

Sem comentários: