quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Ontem a Oprah e o The Biggest Loser...

Ontem estes dois programas tocaram em assuntos com os quais me revi.
Na Oprah estava uma senhora que escreveu um livro sobre as mulheres e a comida e eram colocadas diversas questões e situações relacionadas com o corpo, a comida e o peso.
Revi-me nas questões relacionadas com o comer sem ter fome verdadeira, comer coisas altamente calóricas mas muito pouco nutritivas. Assim era eu antes de emagrecer e hoje em dia tenho que ter cuidado porque sinto que a qualquer momento, tal como um qualquer dependente duma qualquer substância, posso ter uma recaída e desatar a comer coisas muito pouco saudáveis e das quais tanto gosto. A prova de que o meu "vicío" não acabou é que quando vou a casa dos meus pais ou quando eles cá estão e a minha mãe fica "responsável" pela alimentação, eu como sempre mais do que (não) devia como, por exemplo, pão branco, queijos, enchidos, bolos, chocolates e sei lá que mais.
A verdade é que ando contida para não desatar a comer "porcarias".
O outro ponto tocado no programa da Oprah e que até me fez apetecer vir aqui escrever um post com o título "Finalmente alguém chama os bois pelo nome" é que falaram, com todas as palavras, da inveja que o emagrecimento provoca em parte das pessoas que nos são próximas, no não "encaixe" por parte de algumas nossas pseudo amigas em relação ao nosso novo corpo, à nossa aparência melhorada e à nossa auto estima em alta. Que é difícil às pessoas conviverem com uma "nova" pessoa, de bem com a vida, com roupas giras e de facto senti isso por parte de algumas pessoas que eu pensava serem minhas amigas. Afinal parece que tinha razão quando aqui me vim queixar que o afastamento de algumas "amigas" parecia estar correlacionado com o meu emagrecimento. Isto existe mesmo e está visto que é um facto.
No The Biggest Loser revi-me quando os treinadores, principalmente a Jill, talvez porque acompanhou as duas mulheres finalistas, falou do equilíbrio e do relaxamento em relação à alimentação e ao exercicío. Revi-me quando as concorrentes começaram a chorar e disseram que se sentiam cansadas com a pressão de perder peso e com a pressão em relação ao voltar a engordar, às calorias e à alimentação de todos os dias.
Eu senti-me e de vez em quando sinto-me assim porque tal como elas, tive tanto trabalho para chegar ao peso que queria, passei por tantas contenções e fiz (e faço) tanto exercicío para perder quase 26 quilos, que tenho pavor em ter deslizes, em parar de fazer exercicío e em comer e fazer refeições que "fujam" da minha rotina.
Realmente, quem passa por uma perda de peso acentuada tem imensas coisas em comum. Vejo estes programas e revejo-me em tanto do que é dito e sentido por quem comenta e fala deste assunto...
É bom saber que não estamos "sós" no mundo...

4 comentários:

mamã da princesa disse...

Eu também vi esses programas, apesar de só ter visto um bocadinho da Oprah.
E revi-me nessa parte do comer sem ter fome... atitude que estou a tentar mudar.
Para quê ingerir tanta caloria?!
Vamos ver até onde consigo ir...

A parte da inveja não a vi, mas acredito que exista!

Beijinhos grandes

Lagoa Verdusca disse...

E eu chorei tanto a ver o biggest loser e a chega à meta da maratona...rásta'parta!

Elsa disse...

eu fico parva ao ler certas coisas, inveja? afastamento? fogo, ya eu tenho inveja mas na vertente positiva, quem me dera perder todos esses quilos, agora, afastarem-se de ti por causa da tua força de vontade??? eu precisava era de uma amiga como tu aqui ao meu lado "ao vivo e a cores" para me dar enchertos de porrada de cada vez que tenho estúpidas ideias de comer porcarias!!!!! irra!!! há gente mesmo anormal!!!
já viste que a equipa castanha do Biggest Looser abriu um espaço para ajudar crianças obesas??? que show, que espectáculo, juro que nunca na vida pensei que o Ron chegasse onde chegou, grande Homem!!!!! :D

Algures no Oeste disse...

ELSA: Vi isso do espaço para crianças sim e achei o máximo :))

Quanto ao resto, acredita que pode ter sido coincidência mas afastaram-se à medida que ia "melhorando" :O

Beijinhos.