sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Por este andar o meu filho não vai ter mais irmãos e entretanto acaba a "validade"...

Pois é. Depois das notícias de ontem e das medidas previstas para 2012 e 2013, entre outras dificuldades que saltam à vista, um dos meus primeiros pensamentos foi que, por este andar, o meu filho não iria ter mais irmãos...
Não é que tal também estivesse nos nossos planos imediatos mas nas nossas mentes ainda havia uma probabilidadezinha de termos mais um filho, de "preferência" uma menina...
Com as medidas impostas o futuro não se afigura fácil, vão-se os subsídios de Natal e de Férias, fora os cortes já existentes nos ordenados há alguns meses, tudo vai aumentar de preço e por isso o custo de vida afigura-se muito difícil de gerir.
Nunca fui apologista de "onde comem dois, comem três" porque se tenho um filho é para lhe dar, dentro das nossas possibilidades, o melhor que lhe podemos dar e não estou a falar de bens materiais nem de brinquedos. Estou a falar da sua Educação, da sua formação cívica e pessoal, do desporto, das atividades, de livros, de roupas e calçado, da sua alimentação e de tudo que gire à volta do seu bem estar. 
Não nos passa pela cabeça dar "super" brinquedos ao nosso filho e enchê-lo de prendas e bens sem interesse para a sua evolução enquanto pessoa - nem os tem -  mas queremos dar-lhe uma vida digna, com a qualidade possível no âmbito das nossas vidas e do que temos.
Posto isto, parece realmente ser difícil ter mais filhos nos próximos dois anos, sendo que aqui a vossa amiga entretanto fica "fora do prazo de validade"... Daqui a três anos farei 40 anos e acho que nessa altura já serei 'velha' para ser mãe novamente e a diferença de idades é também considerável...
Podem dizer "ah mas vocês têm emprego e estão seguros" (algo que me parece já não existir hoje em dia...). Pois, mas digo eu, mas é que nós sempre trabalhámos e nos esforçámos para termos e sermos o que somos, para termos os nossos empregos que não caiaram do céu.
Fui habituada a lutar e a esforçar-me até porque os meus pais nem sequer tinham a vida que eu posso 'oferecer' ao meu filho e, no entanto, nunca me "faltou" nada...
O meu trabalho, o meu percurso, devo-o a mim porque não tive "cunhas" e a minha formação devo-a aos meus pais e é por isso que quero "construir" um filho educado e com valores.
Se é egoísmo não querer ter mais filhos por causa das medidas de austeridade...? Até pode ser e eu até posso engravidar 'sem querer' mas, para já, é o que a nossa racionalidade (e as medidas austeras) ditam...
Tenho muita pena porque eu própria sou filha única mas tendo em conta o mundo e o futuro que nos espera, é uma responsabilidade demasiado grande colocar outro ser humano, inocente, neste mundo que nada de inocente tem...

4 comentários:

akombi disse...

tal como escreves te que os teus pais não tinham o que tens hoje para dar ao teu filho e não estás com boa educação e com os bens essencias ao crescimento?.....penso que para criar e educar uma criança não é preciso mto dinheiro, o mundo que criamos é que nos obriga a exigir bens materiais.

uma coisa que notei qd fui mãe pela 2ª vez...simplificamos tanto e dou por mim a ver que dei mais á minha filha mais velha pq achava que era necessário no entanto talvez tenha errado pq uma criança não precisa assim de tantas coisas, e aqui além do material incluo tb a atenção e outras situações que simplifiquei com a chegada da P8.

a sério nao leves tanto a peito o que o país está a passar ( e o mundo), talvez seja uma prova para todos nós dar-mos valor ao que é realmente importante na vida.....só vivemos uma vez, e é certo que o material ajuda para que vivamos melhor mas será que não nos está a faltar o mais importante que é o aspeto humano.


ahhh e qt ás medidas do governo, por agora continua o incentivo á maternidade com o sbsdio a receber na gravidez bem como o abono....agora é certo que se tiveres um sálario assima da média há cortes mas ai até acho bem, e não me leves a mal, mas se quem já ganha acima da média e se viver dentro da média consegue ter uma boa vida, não me venham com hstórias.....agora se quiser viver com aquele conforto acima da média não há ordenado que resista.

por aqui estas medidas não nos afetam e pq? pq nunca tivemos qualquer subsidio e vivemos....dentro da média, é só saber gerir (mto) bem o dinheiro....está tudo na nossa cabeça.

beijocas

Isabel disse...

Pois, compreendo-te muito bem.

Isto não está fácil e o futuro dos nossos filhos também não vai ser nada fácil.

Um beijinho e bom fim-de-semana!

Sandra e Dinis disse...

Eu não critico em nada, porque tb tenho essa visão. E eu que estou em casa (desempregada) ate podia dar-me ao luxo de ter outro filho(a), mas e o resto. É como tu dizes com o tempo que se vive não está fácil para cuidar de um quanto mais de dois. Sim às vezes sinto-me egoísta, mas pensando bem não é bem assim, eu já tenho pena do meu filho porque para ele os anos futuros não vão ser nada fáceis.

beijinhos

Elsa disse...

eu tanto te compreendo como este post até quase k podia ser escrito por mim... excepto aí na parte do sou filha única, é que smp tive grandes diferenças da minha irmã e por vezes acho que seria super injusta ao dar um irmão ao André e não lhe poder dar a atenção que merece, eu não a tive e brigo muito, acho que cada vez mais, com a minha irmã... complicado