sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Não me sinto com a idade que tenho...

Isto é tão estranho mas não me sinto nada com a idade que tenho e nem sei se é bom ou se é "mau" ou apenas parvo ou ainda o medo do passar dos anos...
Por vezes tenho reações dignas de uma menina de 20 anos, noutras vezes sinto-me uma criança desprotegida e desamparada que quer o colo da mãe e que se recorda com saudades da infância feliz que teve, depois caio em mim e sinto, noto e sou muito mais ponderada e madura, muito mais confiante e que gosto muito mais de mim agora do que há muitos anos atrás.
Contudo, por vezes, não consigo explicar bem este sentimento em relação à idade porque olho para a maior parte das pessoas da minha idade e a maior parte parece-me cinzenta, envelhecida e descuidada. Muitas vezes muitas dessas pessoas são até mais novas do que eu e fico admirada quando constato que eu sou mais velha...
O meu espírito parece não corresponder à idade que trago comigo e com todas as alterações que o meu corpo sofreu e com todo o exercicío que faço, mais parece que renasci das cinzas e por isso também físicamente não aparento a idade que tenho...
Quem não sabe a minha idade e depois a 'descobre' fica mesmo muito admirado e ainda hoje isso aconteceu. Uma amiga minha virou-se para uma amiga sua que não me conhecia e pergunta-lhe a sorrir que idade é que me dava... E a resposta foi 30 anos...
O que se passa é que tenho mais 8 e estou quase nos 40 e assusta-me o passar vertiginoso do tempo, assusta-me que o meu corpo não responda como eu queria e, acima de tudo, assusta-me ter uma espécia de "recaída" e aparentar ser (muito) mais velha de repente...
Aos 20 anos nem sequer andava de bicicleta e muito menos participava em provas desportivas... Fazia umas aeróbicas e uns 'steps' e pronto, nada mais do que isso...
E por isso me pergunto muitas vezes onde penso que vou chegar à beira dos 40, que sou mãe, mulher, trabalhadora e que tenho tantas responsabilidades...
Contudo, cá dentro, não me sinto nada com 38 anos... Sinto-me renascida, como se tivesse vindo de uma qualquer luz como nos filmes que me renovou dos pés à cabeça.
Sinto-me diferente, sinto-me uma mulher diferente num corpo diferente, num corpo que nunca imaginei ser possível ter e cheia de força, vontade e gosto por fazer exercicío...
Sinto que não matei a criança que existe em mim, que não me tornei cinzenta e sisuda ainda que a vida não tenha sido muitas vezes o que esperei ou imaginei, ainda que muitas vezes sofra, me deixe sofrer e me façam sofrer...


(imagem da net)

1 comentário:

Maria Sem Frio Nem Casa disse...

só podes estar certa. Idade é o que fizermos dela... E dos teus 38 anos de vida, encontraste uma nova vida que está a ser vivida da forma que mais prazer te dá! Parabéns! E sim, será sempre assim: às vezes forte e madura, outras, menina frágil e mimadinha a pedir colinho. Importante é estarmos bem, fazermos o melhor que podemos e sabemos! E a idade é apenas um pormenor, que também nos traz mazelas, é verdade, fisicamente falando, mas que podemos ir adiando se nos cuidarmos. E mentalmente há amadurecimento, sabedoria acrescida. Força rapariga para te sentires sempre assim, agora aos 38, depois aos 48, e depois aos 58 e por aí fora! Porque será sinal que estás VIVA e bem contigo e com os outros!