quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Pedalar em Lisboa pela primeira vez...

Quando nos mudámos para o Oeste, andar de bicicleta não fazia parte da minha vida.
E talvez por isso senti-me quase como uma criança ao 'experimentar' ir andar de bicicleta pelos sítios que sempre conheci da minha vida do dia à dia mas de carro e a pé...
Realmente a bicicleta é algo que se torna parte de nós. Foi o que senti ao irmos num fim de semana para Lisboa, essencialmente por causa do meu pai estar hospitalizado e, ainda assim, levarmos as bicicletas e houve tempo para tudo. De manhã pedalou-se e à tarde ía ao hospital ver o meu pai...
Mas como estava a dizer, foi com alguma ansiedade que saí a pedalar da casa dos meus pais rumo a Lisboa...
Estas pedaladas foram todas de estrada, pelo alcatrão. Não houve BTT e no primeiro dia senti um medo enorme ao pedalar pela estrada por causa dos carros que passavam a velocidades estonteantes quase "rentes" a nós. Nunca tinha tido esta sensação porque no Oeste as pessoas são mais calmas a conduzir e porque não há tanto trânsito. Ali senti medo de ser atropelada e só pensava que se caísse da bicicleta por algum motivo, não haveria tempo para nada...
Bom, mas lá continuámos e quando passámos no Parque das Nações não havia trânsito mas havia mesmo muita gente a correr e a caminhar e algumas pessoas a pedalar. Pelo sítio em si não é adequado para pedaladas a fundo porque senão aí corremos nós o risco de atropelarmos alguém. Ali é bom para se ir e ver as vistas mas em ritmo de passeio e isso eu já não "consigo" pelo que foi algo enfadonho percorrer toda a zona da Expo, duma ponta à outra, por aqueles caminhos. Valeu pelas vistas que adoro mas para treinar não é realmente o local mais indicado...
No sábado pedalámos quase 40 quilómetros e no domingo foram 50 quilómetros.
Infelizmente Lisboa não está feita para pedalar ainda que os caminhos sejam quase todos a direito...
Existem ciclovias, aliás, foi a minha primeira vez numa ciclovia, mas depressa acabam e depois parece que se fica perdido entre ir em cima do passeio ou ter a estrada logo ali...
De qualquer forma foi agradável e ao segundo dia o trânsito já não me fez confusão.
Ainda assim acho que pedalar no meio da lama, dos troncos, de pedra e de areia é bem menos perigoso do que pedalar numa cidade ou à volta dela...
Mas foi muito engraçado ir a sítios onde ía só de carro como as Docas...
Chegar lá a pedalar e percorrer todo o caminho junto ao rio Tejo foi muito engraçado apesar do vento, da chuva e do frio. No final pensei porque raios tinha sido tão sedentária durante tantos anos e que afinal ir de casa (dos meus pais e do mesmo sítio onde morávamos antes...) até às Docas pela zona ribeirinha é possível...
Suponho agora que de cada vez que formos a Lisboa, se houver tempo, lá vamos nós com as bicicletas atrás...
 
 
- fotos retiradas -

3 comentários:

Isabel disse...

Da próxima vez tens que ir pedalar para Monsanto. Eu não gosto de andar de bicicleta, muito menos de btt, mas conheço quem goste, quem participe regularmente em competições e adore os trilhos de Monsanto.
Eu diria que no Oeste há seguramente menos trânsito mas não concordo que as pessoas sejam mais calmas a conduzir.
Bjs e as melhoras do teu pai.

Vera, a Loira disse...

Vai ser assim a minha vida agora, tentar pedalar de manhã e ir para o hospital à tarde.

Algures no Oeste disse...

ISABEL: Sim, tenho muita curiosidade para conhecer Monsanto mas desta vez não deu tempo...
:|

VERA: Espero que esteja tudo bem...

Beijinhos.