terça-feira, 22 de outubro de 2013

Ultimamente

Parece que o tempo passa depressa demais e que não há tempo no tempo para se fazer e experimentar tudo o que há na vida.
O tempo parece ser galopante e imperdoável, chega, está e vai-se ou melhor, esvai-se por entre as mãos como a areia se vai por entre os dedos.
Cada vez parece haver menos tempo no tempo e se o tempo é o que queremos fazer dele, parece que este tempo está cada  vez mais contado.
Nem acredito que tenho quase 40 anos. Aos 20 anos parecia-me tudo tão longe. As pessoas de 40 e de 50 eram velhas e agora cheguei lá, ou estou a chegar, e comecei a 'dar-me' com pessoas de 50 ou mais anos e parecem-me muito bem, nada velhas... Ao aproximar-me dos 40 começo a relacionar-me com pessoas de 50. Aos 30 não me lembro de me relacionar com pessoas de 40, se calhar porque andava demasiado absorvida na minha vidinha, vejo agora isso como algo quase egocêntrico, próprio da idade...
As pessoas com 50 ou mais anos pareciam-me tão distantes e agora começam a ser-me próximas, e, não tarda nada, eu própria lá chegarei, tal como estou a chegar aos 40.
Aos 20 anos, vejo-me agora assim, era egoísta e mimada, apesar da imensa maturidade social, emocional, académica e pessoal que tinha... Achava que o mundo girava à minha volta e que ao mínimo percalço, tudo era um drama. Sabia lá eu o que era a vida.. Olha, apetece-me dar um par de estalos a mim mesma se regressasse no tempo e me encontrasse com essa idade.
Mas enfim, era feliz, tinha uma feliz vida com os meus pais, a estudar na Faculdade.
Quase aos 40 sinto-me muito melhor. Muita coisa não é como imaginei, principalmente o tempo que voa e foge.
A propósito, daqui a poucos dias o meu filho faz... 7 anos... Como é possível... Ainda ontem nasceu e agora tem 7 anos, está no 2.º ano e tem resposta pronta para tudo...
 

Sem comentários: