quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Novidades exercitando o meu bracinho...

Mais um avanço na minha vida no exercicío físico pós queda.
Que não levanto o braço na totalidade nem o consigo rodar, isso já eu sei. E com isso sinto que também ganhei certos 'reflexos' em proteger mais os braços e o ombro e com isso quero dizer também não o movimentar assim, sem mais nem menos.
Bom, no dia à dia também não se anda para aí a levantar e a rodar o braço, não é verdade...
Pois ontem o meu bracinho superou-se a si mesmo. Sem esperar, fiz exercicíos para os braços com... pesos... É certo que não eram pesos muito pesados (cerca de 2,5 Kgs) mas afinal consegui levantar e rodar o braço com o peso nalguns movimentos que achei que não ia conseguir...
Ainda que me tenha custado pela falta de prática, de força, de agilidade e de treino nos braços, o facto de conseguir fazer aqueles exercicíos com um peso como o desta foto, foi assim uma evolução muito grande, enorme, gigantesca... E o melhor de tudo é que não senti dores. Claro que cheguei com o braço a uma determinada elevação e dali não passou mas já foi (muito) mais do que o que esperava...
O facto de ter esta limitação no braço tem limitado também as minhas escolhas nas idas ao ginásio. Tem provocado receios e medos em experimentar aulas novas ou diferentes do Cycling mas que já conhecia, tais como o Body Combat, o Body Balnce, o Zumba ou uma nova modalidade que há lá pelo ginásio... Acho sempre que não vou conseguir esticar ou levantar o braço e que depois está toda a gente 'na maior' e eu para ali descoordenada e encolhida por causa do meu braço que parece contorcido quando o tento esticar...
Mas enfim, ontem serviu para me animar, inspirar e dar força relativamente às forças que tenho. Fez-me sentir que afinal não estou assim tão 'incapacitada' e que afinal posso (tentar) fazer (quase) tudo o que fazia antes de partir o ombro...
 


1 comentário:

Alexandra de Amorim disse...

Quando menos esperas, surpreendes-te! Não tenhas medo da Zumba. Lá se põem os braços no ar e tal de vez e quando, mas acho que isso é facilmente contornável. A Zumba é para todas as idades, todos os sexos, todos os 'condicionalismos' físicos (os instrutores estão sempre a dizer isso!