segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Pronto, não me consegui livrar dos pensamentos (mais) negativos...

Tudo a postos. Tudo preparado na véspera. Maratona paga, dorsal atribuído. Tudo combinado, nós num carro e a minha amiga das pedaladas noutro com a 'respetiva' família.
Só que no próprio dia acordei um bocadinho mais tarde do que era suposto e fui invadida por pensamentos mais negativos que venceram sobre a esperança e o lado positivo da vida. Comecei a pensar que para que é que ia fazer o filhote levantar-se às seis da manhã, para que é que iamos àquela hora percorrer uma centena de quilómetros e, acima de tudo, para que é que eu ia participar numa maratona se, o mais certo, era fazer 'figuras tristes' e até, quiçá, cair ou algo do género.
Deixei-me ficar quase prostrada na cama e o vírus da inscrição e vontade de ir passaram num ápice. Comecei a sentir-me insegura quanto à minha prestação física, quanto às minhas capacidades, quanto à bicicleta e optei pelo lado fácil e fraco: nem sequer tentar... Eu não era assim mas sinto que sofri tanto no último ano que parece que optei pelo lado cómodo e em que sei que não me vou magoar, dececionar, chatear ou aleijar...
Visto assim parece mesmo coisa de gente fraquinha mas eu também não me sinto a 100%... Nem físicamente nem em relação ao 'resto'... Continuo semi constipada e a pensar em inúmeras coisas.
Parece algo cobardola, nem sequer ter tentado mas o meu espírito de vencedor(a) e o lado competitivo andam abaixo de zero e sem interesse algum...
É claro que se a minha amiga dependesse de mim para ir(mos) eu não teria falhado a ida. Não ia 'prejudicar' outra pessoa por causa dos meus pensamentos tótós.
E agora, daqui para a frente, como será...? Imagino-me a não ir a mais maratonas, a nem sequer tentar porque estou farta de sofrer com isto tudo...

2 comentários:

Alexandra de Amorim disse...

Eu acho que se não te sentes em forma a 100% (física ou mentalmente) então não deves mesmo participar numa competição. Mas também acho que quando estiveres recuperada dessa constipação e quando os dias começarem a ficar longos e menos frios, vais voltar a querer competir. ;)

The gLiTtEr Side

Anónimo disse...

Joana, a vida não é para se pensar (muito) mas sim para se viver!!
Que importa ser a ultima a chegar? Que importa....?
Que é isso comparado ao prazer de viver fazendo algo que nos apaixona?!!

Muito pior que chegar em ultimo, é não ter chegado a partir!

Há coisas mais importantes que os tempo, as prestações...

Beijinhos
SSancha