terça-feira, 22 de abril de 2014

Dureza

Dureza é estar a preencher o IRS da minha mãe (e do meu pai...) do ano de 2013 e ter de assinalar, assim, bem nú e crú, que ocorreu o óbito de um dos cônjuges nesse ano...
Dureza é estar ainda a fazer contas a receitas, tratamentos e transportes que o meu pai teve em 2013...
Dureza é preencher os rendimentos já incluindo a pensão de... sobrevivência da minha mãe.
E dureza ainda maior é encontrar no meio de milhentas papeladas e contas da farmácia umas das últimas fotos que o meu pai tirou, naquelas máquinas automáticas ainda por cima, e dar de caras com a cara do meu pai.
Dureza foi o que inspirei.
Expirei uma gota, uma lágrima e prossegui na minha dureza mole continuando a preencher o IRS como se não se passasse, ou tivesse passado nada.
Juro que naquele momento, o de virar o papel e dar de caras com as caras múltiplas do meu pai, me fez ter vontade de sair porta fora, pegar na bicicleta e desaparecer. Só ir e esquecer a dureza destas memórias formais que agora ficaram ali, preto no branco...
Dureza é isto tudo e muito mais num dia em que voltei ao Hospital para ter uma consulta com o médico que me operou e saber o que é feito da minha placa e dos meus parafusos. É bom saber que os meus movimentos estão muito melhores do que se esperava, que posso e devo continuar a praticar todo o desporto do mundo - nem precisei de perguntar, este médico é tão simpático e afável que se lembra de mim e antes que eu perguntasse, falou logo no exercício físico.
A placa e os parafusos estão bem, muito obrigada, e é melhor que continuem por onde estão, pelo menos durante mais um ano. E afinal, talvez até regredisse se fosse agora novamente operada.
Dureza foi esta espécie de confrontação final com a realidade: tenho uma limitação no braço e não há nada a fazer. Irei viver com isso para sempre.
Acorda Algures. Isto é a tua vida, os factos são: o teu pai morreu e o teu braço está e vai ficar limitado e não há nada que possa mudar isso, a morte do teu pai e a limitação do teu ombro e do teu braço.
Wake Up.
A vida é dura, já o sabias. 
A questão é o que vais fazer disso.
Go on Algures. Esquece. Atenua. Ameniza. Vai em frente. Esquece o que ficou lá atrás...

2 comentários:

Algures no Oeste disse...

PMARQUES: Eu peço desculpas mas vi o seu comentário através do telemóvel e apaguei-o sem querer, ao invés de o publicar...
Obrigada pelas palavras e pela força :-)
E mais uma vez peço desculpas por ter apagado sem querer o seu comentário :-(

pmarques disse...

Não tem problema, o importante foi as palavras chegaram a si :)
Mas nunca esquecer: recordar os bons momentos e levantar a cabeça sempre com um sorriso no rosto. Não é a solução, mas ajuda muito ;)