terça-feira, 8 de julho de 2014

E a escolha vai (foi) para...

E ontem se estava cheia de dúvidas entre o que fazer, ao longo do dia estas foram-se dissipando e acabei por não ir ao ginásio e rumar a casa para dar uma volta de bicicleta, 'of course'...
Estava uma ventania enorme o que dificultou um pouco a pedalada mas, ainda assim, tentei dar o meu melhor no curto espaço de tempo que tinha.
Saí do trabalho e até me preparar para sair na bicicleta, passou algum tempo e como não queria chegar 'tarde' a casa, optei por pedalar apenas uma hora e dez minutos o que rendeu cerca de 20 quilómetros.
Como digo, o vento não ajudou mas às vezes é preciso para arejar a cabeça que anda atormentada por o corpo ir fazer 40 anos...
É como fazer uma espécie de balanço, mas onde é que eu cheguei aos 40 anos.
Os 40 anos são como os imaginei aos 20 anos...?
Mas como é que já passaram vinte anos desde que fiz 20 anos...?
O meu corpo irá ressentir-se com a idade...?
As rugas que não tenho chegarão entretanto.
E as minhas pernas, como será quando não aguentarem a pedalar.
Caramba, sinto-me tão bem fisicamente, sinto-me em forma e a ganhar força, a melhorar mas depois bate na minha cabeça, como se fosse um sino gigantesco, que vou fazer 40 anos...
Pedalo ainda com mais força, contra o vento e contra o tempo que passa mas ele não pára de passar nem o vento pára de soprar com força, empurrando-me para trás, fazendo-me fazer muita força para avançar na bicicleta, como se fosse a minha vida, (quase) sempre a empurrar contra a maré desavinda que me perturba e me faz lutar, não sabendo muitas vezes como não baixei os braços.
Merda de vida que me tem dado alguns tropeções, e daqueles bem grandes.
Inspiro, fecho os olhos mas não por muito tempo, não vá estatelar-me outra vez no chão com a bicicleta.
Controlo tempos, quilómetros e as aplicações no telemóvel.
Nem transpiro com a ventania fresca que está.
Paro e desmonto a bicicleta só para tirar uma fotografia. Eu e as fotografias. Sempre a tirar fotos. E a partilhar no Facebook, o que é que isso interessa. A foto ficou o máximo mas rendeu apenas meia dúzia de 'likes'. Quem laika, laika, quem não laika, não laike.
Cheguei a casa com a cabeça muito pouco arejada apesar do vento. Encontro o meu filho e também não sei como é que ele já vai fazer 8 anos e como é que há oito anos atrás eu vivia um Verão com uma barriga grande, atafulhada em gelados, melão e camarão... Ele nasceu de mim e não há nada melhor que eu possa ter na vida ou no mundo...

2 comentários:

Maria João Oliveira disse...

Olha, eu tenho 42 em breve, um filho de 11 anos e outro de 19 meses. Parece que nunca tive tempo para fazer nada por mim. De há 2/3 meses para cá comecei a pedalar e a correr, às 6.00/7.00 da manhã para não retirar tempo aos putos, marido e casa. Embora esteja a tirar ao soninho, adoro estes bocadinhos diários. Também já tenho umas poucas de rugas e também comecei a tratar disso há pouquissimo tempo...O que interessa é que a vida pode ser boa em qualquer momento, em qualquer idade.
Continua a escrever, gosto muito de acompanhar. Beijinhos

A Loira disse...

Tomaste a melhor opção, sem dúvida. E o post não podia ter acabado melhor :)