segunda-feira, 16 de março de 2015

A Fé move pedais...

Pois que nem sei bem por onde começar.
Eram seis e pouco da manhã e saímos os três (eu, amiga e marido) rumo ao ponto A de onde partiríamos para Fátima, para a XIII Benção dos Ciclistas - 2015. Tínhamos um plano B que era sair eu e amiga a pedalar, do sítio de onde vivemos, e marido ia buscar-nos de volta, já em Fátima, de carro. Contudo, seguimos então o Plano A. Ainda não eram sete horas quando chegámos ao ponto A, aquele onde deixaríamos o carro e partiríamos rumo a Fátima. E assim foi. Estava um frio de rachar e uma geada que nos fez enregelar até aos ossos, principalmente as mãos e os pés. Felizmente levei um casaco e o cachecol ciclístico e lá fomos nós a enregelar enquanto pedalávamos.
Passados alguns quilómetros (uns 5/7), marido não se sentiu bem e voltou para trás. Não aguentava o frio e tinha estado 'de serviço' no dia anterior, durante 24 horas, por isso, 'compreendeu-se'...
E o que é que se passou a partir daqui? Eu e minha amiga prosseguimos, sempre por alcatrão, para chegarmos a horas, já que há dois anos tínhamos ido por trilhos e demorámos uma eternidade a chegar a Fátima, tenho chegado lá por volta das quatro da tarde.
Marido seguiu no carro, como nosso carro de apoio. Ia parando nalguns cruzamentos, seguia, nós seguíamos e depois lá estava ele, e assim sucessivamente.
Entretanto aquecemos e quando estávamos quase a chegar a Fátima esperava-nos uma subida longa e bastante inclinada. Quando chegámos ao pé de marido, tirámos os casacos e os cachecóis e marido juntou-se a nós para ir então até à Benção.
Gostei muito da Missa e da Benção, foi apaziguante e tranquilizador estar ali naquele sítio, rodeada de ciclistas de todos os tipos e géneros, tal como as bicicletas. Senti-me... inspirada, cheia de força, de fé e de determinação, características que tantas vezes me falham ou eu falho a mim mesma...
A Benção terminou. Comemos umas sandes e pouco mais para não termos a barriga cheia já que íamos regressar de volta, e aqui pensei que ia conseguir porque estava cheia de Fé, mas se não conseguisse tinha marido no carro, pelo caminho, a dar-nos apoio...
Até Fátima tínhamos pedalado cerca de 50 kms, o que por alcatrão nem é muito, mas o que eu não sabia era se conseguiria fazer tudo de volta, com subidas longas, estradas monótonas que pareciam não ter fim e a minha paciência que costuma escassear...
De regresso, viemos vindo, sempre a pedalar, eu a tentar não perder o ritmo e realmente sentia-me inspirada e com força...
Marido ia parando o carro. Eu ia comendo pedaços de barras energéticas e bebendo água. Estava muito Sol e ainda que abrandasse nas subidas, não me sentia cansada...
Tanto pedalámos que chegámos de regresso ao sítio de onde tínhamos partido de manhã, o que somou a bela quantia de quase 104 quilómetros pedalados, nem queria acreditar que tinha conseguido, e com a bicicleta pesadona de BTT por estrada...
Foi a primeira vez que pedalei um percurso com três dígitos e acresce o peso da bicicleta de BTT... 
Nem queria acreditar que tinha conseguido pedalar tantos quilómetros!!!
Senti que tinha cumprido a minha missão, que tinha atingido e superado um objetivo pessoal e que, de certa forma, sentia-me agora 'livre' e segura para 'voar', ou no caso, pedalar, mais alto, libertar-me e seguir em frente com força e genica, e conseguir chegar sempre onde quero... E mesmo que seja mais lenta ou pedale mais devagar, é o que consigo, porque cansada realmente não fico... não fiquei...
O que me aconteceu pela primeira vez foi ficar com dores atrás dos joelhos, suponho que entretanto passem... 
Algures... a sentir-se inspirada...

- foto retirada -

Os dados da pedalada no Strava.

3 comentários:

Gaja Maria disse...

Que maravilha e que grande vitória. Deve ter sido lindo. Tenho pena de não ter ido.. Bjs

Algures no Oeste disse...

Pois é GAJA MARIA, lembrei-me de ti, por poderes estar relativamente perto...
Quem sabe para o ano ;-)
Beijinhos.

Sol disse...

Tanto km!!
Deve ter sido muito emocionante e quando temos fé tudo parece mais fácil.