segunda-feira, 6 de abril de 2015

Acho que, qualquer dia, junto-me a um qualquer grupo de anónimos...

Qualquer dia peço ajuda para me juntar a um qualquer grupo de pessoas anónimas que querem largar o vício do Facebook.
Eu bem tento, e até o vou desabafando aqui no blog, pois o máximo de tempo que estive ausente daquele rede foi... uma semana... Mas depois não consigo, acabo por lá ir e, pior ainda, acabo por partilhar fotos, e nem sequer são fotos explícitas da minha cara, ou da cara e do corpo do meu filho, ou do meu esposo, ou de nós todos juntos, ou do coelho da Páscoa, ou do que almoçamos e jantamos, ou de quantas vezes fomos à casa-de-banho ou estivemos mal dispostos e a vomitar...
Por exemplo, num impulso raro partilhei uma foto do meu filho nas suas atividades e até estava longe, nem se percebia bem a sua cara na fotografia. Foi um excesso porque me senti muito feliz e entusiasmada e quis partilhá-lo com o mundo mas depois constato que quase ninguém quer saber, e estou a falar das pessoas que nos conhecem mesmo, não é daquelas pessoas que nem conheço pessoalmente, que dessas pessoas, obviamente, não 'espero' estas coisas...
As pessoas que nos conhecem de todos os dias, muitas delas não se manifestam e parece que só elas é que têm filhos e gracinhas do periquito para mostrar. Uma pessoa está sempre a fazer 'likes' porque essas pessoas partilham fotos dos filhos constantemente, e eu sou da opinião que se uma pessoa está assim a expor o seu filho, então eu 'devo' manifestar-me e agradecer a partilha, já que é algo íntimo e pessoal...
Ora, eu sou pessoa que raramente ou nunca coloco fotos e coisas do meu filho, logo, quando o faço, é suposto ser uma novidade, certo...? E afinal, essas mesmas pessoas a quem ando sempre a fazer "likes" nem se manifestam e, pior ainda, na vida real, na rua, algumas nem sequer falam ao meu filho. Incrível, não é...? É tudo muito simpático e tal mas é só no Facebook, porque na rua, meus amigos, e amigas, são pessoas que falam de forma atravessada ou, quiçá, ignoram, no caso, o meu filho, uma criança... O que vale é que se trata de uma minoria...
Mas como estava a dizer, e já o tenho dito, tenho que aderir a um grupo anónimo, e, de forma irónica, se calhar era melhor fazê-lo através do Facebook, para deixar de colocar fotos de pedaladas, corridas e por aí fora... Já o faço no Instagram, para quê partilhá-lho no Facebook pois que eu não sou nenhuma atleta, e se depois a maior parte das pessoas não se manifesta ou, mesmo não se manifestando, quando me encontram na rua, dizem-me que eu só sei é pedalar, que me farto de pedalar, que viram os meus pés com aqueles ténis esquisitos de pedalar (vulgo, sapatos de encaixe), que viram o mar, que viram a bicicleta, os peixes, os passarinhos, o suor a escorrer, que eu não engordo, que eu posso comer um boi, e tudo isto porque só coloco fotos de mim a pedalar, como se fosse uma g'anda maluca na loucura, sempre a pedalar por aí como se fosse uma psicopata ciclista que não faz mais nada o dia todo...
Caio em mim, afinal, partilho fotos porque gosto de... fotografar... e gosto dos sítios por onde passo com a bicicleta. E devo estar maluca. Não tenho a noção de que o meu Facebook é só fotos da bicicleta e que passo a vida a pedalar, a sério...
E por isso, remeto-me ao silêncio e penso em como acabar com este vício de partilhar fotos e de parecer, na cabeça destas pessoas, o Beep Beep do pedal, a sério...
E o grupo dos anónimos que querem deixar de postar fotos no Facebook...? Mas se estiverem no Facebook já será um mau princípio porque estão... no Facebook...? (ironia...).

2 comentários:

Gaja Maria disse...

Não te preocupes com essas coisas, vive a tua vida, partilha o que te apetecer, o resto não interessa nada, certo? Bjs

AvoGi disse...

Eu tb não Partilho fotos de crianças de firma explícita
Kis:>}