quarta-feira, 22 de abril de 2015

Parece que faltava algo

Não me exercitei no fim de semana, não pedalei nem corri, por falta de tempo, de vontade e por causa da constipação que ainda permanece em mim...
O meu tempo tem andado mais ocupado e também não foi possível ir ao ginásio.
Só que ontem ao fim do dia não 'aguentei' mais e enquanto filhote e pai foram para uma atividade, eu fui... pedalar... era um fim de dia cinzento, estava vento e eu tinha frio, o ranho caía do nariz mas tinha que ir...
À medida que avançava o céu escurecia ainda mais, carregado de nuvens, e eu a levar com o vento na cara, de frente, o que dificultava ainda mais a pedalada...
Não se vislumbrava ninguém, nem a correr, a caminhar ou a pedalar. Por instantes pensei que deve ser por isto que os estrangeiros "aproveitam" mais as nossas "coisas" do que nós próprios, afinal, apesar do céu carregado e do vento fresco, não era nada do outro mundo e suportava-se bem, com uma paisagem maravilhosa, envolta num silêncio tremendo, só se ouviam os pneus da bicicleta a roçar e a calcorrear o chão empedernado...
Contudo, às tantas, não sei porquê, tive 'medo' daquele isolamento e vai daí que o lado positivo foi que isto me fez acelerar para sair dali o mais depressa possível. E assim, mesmo com muito vento, senti-me a transpirar e a fazer força ao pedalar contra o vento mas o que eu queria mesmo era sair dali para fora...
À ida encontrei um pai e um filho a pedalar, sem capacete (como é possível...?) e na volta, afinal, ainda os "apanhei" mas já em alcatrão e numa subida... Não deviam ter muita prática porque aconteceu algo que não costuma acontecer: ultrapassei-os, à vontade, numa subida íngreme, eu que sou sempre a mais lenta... Mas dou agora conta que comecei a "manusear" e a gerir as mudanças doutra forma nas subidas, o que me permite uma pedalada mais forte, espaçada e ligeiramente mais rápida. Sim, eu sei que pedalo há anos, e que isto da gestão das mudanças dá vontade de dizer: "Dah! Mas isso é óbvio!!!", mas eu sou assim, 'lenta' nalgumas coisas mas eu chego lá... digo eu...
E vai daí que o ânimo foi logo outro quando cheguei a casa, ainda vazia dos 'meus homens'...
Pus a mesa, apanhei roupa, adiantei o jantar, preparei os lanches do dia seguinte e tomei banho. E é assim que eu prefiro, ir ter a casa, apanhar ar fresco, do que estar enfiada no ginásio e chegar a casa "à meia noite"...

1 comentário:

Gaja Maria disse...

verdade, o ar livre faz milagres. Eu fui fazer duas aulas de cycling ao ginásio e derreti-me em suor por estar num ambiente fechado. Não é de todo a mesma coisa :)