segunda-feira, 8 de junho de 2015

Pedalar sozinha para combater a semi solidão, and isn't it ironic...

Às vezes precisamos de estar sozinhos mas depois quando isso acontece "a sério" parece que falta algo, principalmente em casa... Por vezes anseio por um momento sozinha em casa, em que posso ouvir a música que quero ou ver as séries que me apetece ver (porque sou viciada em diversas séries...) na televisão sempre 'carregada' de desenhos animados ou de documentários chatos (para mim...) no Canal História ou no National Geographic, ou tão somente limpar a casa sem interferências constantes, mas depois quando todos 'desaparecem' de casa parece que fica um vazio e que falta algo que não se consegue explicar...
Neste fim de semana, num dos dias, filhote esteve ausente todo o dia em atividades de sua atividade e o pai também esteve fora por compromissos de trabalho. E vai daí que depois de ter acordado cedo para levar filhote a sua atividade, ter dado um jeito na casa, ter estendido a roupa que tinha lavado, ter comprado pão e frutas e legumes, tomado café e adiantado o almoço, comecei a sentir o tal vazio... E, claro, o que é que me "restava fazer" no meio de milhentas tarefas domésticas, ir pedalar... Equipei-me e estava prestes a sair quando me ligam uns amigos, para eu ir almoçar com eles... Às vezes as pessoas parece que acertam na nossa solidão. Ainda disse que não ia porque estava prestes a ir pedalar e já eram quase horas de almoço mas insistiram tanto que não tive como dizer que não.
E então, aproveitando o facto de estar equipada, e com o frenesim típico de quem sente a abstinência de não pedalar, saí esbaforida rumo ao alcatrão. Pensei: vou de casa até ali e volto, tudo quase em linha reta e por estrada... E assim fiz... Pedalei 20 km numa hora, cheguei a casa, mudei de roupa e rumei ao almoço com os amigos, mas de carro...
Foi muito divertido e pensei que ainda bem que tinha ido almoçar, estava tudo ótimo e a companhia também foi muito agradável.
Entretanto, começo a sentir novo frenesim... O almoço terminou, fui para casa, apanhei a roupa que tinha deixado estendida e equipei-me novamente... E lá fui. Desta vez até mais longe, junto do mar, por trilhos e não por alcatrão... Estava vento mas era um vento mais suportável, talvez porque a minha disposição também estava mais animada.
Pelo caminho só pensava se teria comido pilhas ao pequeno-almoço ou se estaria maluquinha...
Pedalei depressa porque entretanto filhote regressaria de suas atividades e vai daí que 36 Km depois estava em casa mais recompustinha... Não sei o que me deu para ter tanta energia no mesmo dia, parecia tresloucada, até pensei que devia estar assim era nas maratonas de BTT...
Bom, no dia seguinte pai e filho estavam em casa, foi-se a solidão... Mas filhote tinha mais atividades de sua atividade e ficou fora a tarde toda...
E mãe e pai decidiram fazer algo que não faziam há imenso tempo: ir dar uma volta de bicicleta juntos... Contudo, a bicicleta do pai teve um problema mecânico e eu que achava que ia dar uma volta mais técnica, fiquei com as expetativas goradas porque o passeio ficou a meio. Foram apenas 23 Km e ainda que incluíssem trilhos mais técnicos, soube a muito pouco...
Em suma, neste fim de semana parece que me deu a doideira ciclística e não sei onde fui buscar tanta energia... Devia ser sempre assim...



Sem comentários: