segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Mensagem subliminar...

Às vezes pergunto-me se o facto de as provas de BTT me correrem tão mal se é alguma mensagem subliminar a querer dizer que a bicicleta, o BTT e, principalmente, as maratonas de BTT, não foram feitas para mim...
Como se isto da bicicleta não fosse para mim.
Como se eu contrariasse algo que não é suposto.
Isto fará algum sentido...?
A bicicleta é uma paixão tão grande e, no entanto, tem-me provocado tantas desilusões, dores e mágoas, tal e qual como pode acontecer num relacionamento humano...
Comecei a pedalar em 2010, a meio do processo da perda de peso.
Em 2012 estava em forma e no início de 2013 estava mesmo bem a pedalar.
Entretanto, em 2013 perdi o meu pai, o que me afetou bastante nas minhas prestações mas, ainda assim, a bicicleta era um escape e por isso mantinha-me veloz...
Ainda em 2013 tenho a queda da bicicleta que me provoca a fratura do colo do úmero. Fiquei inutilizada e de baixa durante 5 meses. Fui operada com anestesia geral. Fiquei com uma placa e parafusos entre o ombro e o braço. Fiz inúmeras sessões de Fisioterapia.
Bloqueei e ganhei imensos medos, principalmente nas descidas que foi como caí...
Recomeçar a pedalar ainda em 2013, depois da recuperação da queda, foi como que começar do zero... Foi um "restart", foi um testar às minhas capacidades de ultrapassar os imensos medos e bloqueios que ganhei com a queda... Mas avancei sempre, nunca me deixei prender e nesse mesmo ano fui ainda a provas que até não correram mal...
Em 2014 as provas também não correram mal de todo, pelo que este ano não entendo o que se está a passar porque as minhas prestações nas maratonas, ao longo deste ano, não têm sido nada de extraordinário... Parece que não estou em forma, chego quase sempre em último...
E ontem aconteceu outra vez. Não correu bem, não gostei da prova, era extremamente técnica e apertada para alguém tão grande como eu...
Estava muito nervosa e nem consegui tomar o pequeno-almoço, só me apetecia vomitar...
Depois comi um pastel de nata e bebi um café e foi assim que fiz a prova... Mas era tão técnica, e tão apertada e tinha tanta gente que entrei em stress, tendo mesmo num momento sentido falta de ar pela ansiedade que estava a sentir...
Não caí mas fiz muitos bocados com a bicicleta à mão para deixar passar os cavalões ultra velozes e sabichões da técnica.
Quis desistir, pensei no meu pai e na minha mãe, quis chorar, quis a minha infância de volta e pensava que raios fazia ali, que a bicicleta e as provas só me davam desgostos e dores de cabeça e da alma...
A sério, não sei por que raios pensei tanto nos meus pais durante a prova, naqueles instantes quis ser outra vez pequenina e tê-los a ampararem-me e não estar assim nesta vida de adulto selvagem onde todos se atropelam, nem sei bem porquê...
Claro que fui a última das mulheres e de quase da tabela. Mas desta vez irritou-me a sério... E... não estou para isto... Talvez esteja na altura de me afastar da bicicleta e, principalmente, das provas... A minha tensão alta deve ter ido aos píncaros e não estou para isto...
Se não evoluo a pedalar, se o meu corpo não dá mais, então para que me meto eu em situações que, em vez de me darem prazer, só enervam e descontrolam a minha paz...?
Se não fui feita para competir, então por que compito...? Eu nem nunca fiz desporto ou competi na minha vida, na infância ou na juventude, por que raios aos 40 anos havia de estar para isto...?
Preciso de paz e tranquilidade e não de me chatear ou de ter obrigações...
Walk away... Afasta-te... a bicicleta não é para ti...
Apetece-me retirar do Facebook as milhentas fotos que por lá tenho com e da bicicleta... a sério...

As pernas e os sapatos no final da prova...

2 comentários:

Gaja Maria disse...

Nem sei o que te diga. Apenas que este tipo de coisas aos 40 é suposto serem para nos divertirmos e nos darem prazer. As maratonas são desafios, claro, muitas pessoas gostam de se pôr à prova e de se desafiar e tentar superar mas se isso é mais mau do que bom, há que repensar. Podes sempre pedalar com os amigos ou sozinha para te divertires e não ires a provas de competição. Olha, eu este ano estou mais virada para passeios com amigos e desafios pessoais. Aos quase 49 anos já não estou muito virada para a competição. Mas, claro, cada um, sabe de si, só te peço que não desanimes, são fases que passam. Beijinhos

Algures no Oeste disse...

GAJA MARIA: É isso mesmo, é suposto ser algo prazeiroso e não algo que nos enerve...
Mas tens razão, posso sempre pedalar sozinha ou como bem entender, sem ter que me chatear, são fases, tens razão...
Também vem aí o Inverno e as competições ficam mesmo mais de lado, enfim...
Um beijinho :-)