segunda-feira, 27 de junho de 2016

Por vezes...

Por vezes a vida prega-nos partidas pelas quais não esperávamos.
Se estivesse a escrever um livro diria que a minha vida é composta por duas partes: a vida que tinha antes de me mudar para o Oeste e a vida que tenho desde que me mudei para o Oeste...
É, sem sombra de dúvidas, um marco muito forte que me faz repensar e analisar tudo o que se tem passado desta forma...
Antes de me mudar para o Oeste tinha uma vida pacata no sítio onde nasci (nasci em Lisboa mas sempre vivi naquele sítio...), cresci e sempre vivi, mesmo depois de ter casado e de ter sido mãe...
Até aos 35 anos foi ali que fiz a minha vida ou o que a vida fez de mim.
Aos 35 anos rumei ao Oeste onde permaneço há quase sete anos...
No Oeste comecei num novo emprego que me trouxe novas amizades. 
No Oeste perdi quase 30 quilos. Perdi o meu pai. Perdi parte da mobilidade de um braço. 
E perdi outras tantas coisas que não são para aqui chamadas.
Contudo, volvido todo este tempo, constato que ganhei muito mais do perdi...
Poderia aqui dizer uma série de 'clichés' que se vieram a revelar verdadeiros tais como o que não nos mata, torna-nos mais forte, ou ainda, o tempo é a cura para tudo ou que há males que vêm por bem...
E na verdade, sempre tive fé e esperança. Uma fé e uma esperança que mantenho no mundo e em mim... 
Sempre acreditei, e a cada dia que passa, acredito ainda mais... 
E por isso, sinto-me tão feliz com tão poucas pequenas coisas... 
Passei a relativizar o que era realmente importante ou o conceito de... dor...
Decidi fechar os olhos, inspirar e acreditar que a minha fé era (e é...) muito maior do que os meus maiores medos e receios...
Aos poucos liberto-me e acredito que tudo vai correr bem...
Aos poucos mantenho a fé e a esperança na humanidade e no que está para vir... E isso deixa-me com um sorriso quase pateta nos lábios e para com a vida...
Houve um tempo em que achava que não, que nada corria bem, mas agora... agora sim, acredito...
Vai correr tudo bem, só é preciso ter fé, acreditar e não deixar que os medos vençam e que tudo se nos escape por entre os dedos como grãos de areia...
:-)




2 comentários:

Gaja Maria disse...

O melhor é deixar para trás o passado e viver o presente o melhor que se pode e aproveitanto as coisas boas. Somos assim muito mais felizes. Beijinhos

ELYSIAN disse...

:)