quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Parece que hoje...

Parece que hoje começa o Inverno e que é também o dia mais curto do ano.
Sempre achei piada ao mudar das estações, da hora e do tempo a passar porque me sinto sempre num misto de ansiedade entre o querer que o tempo passe e o não querer que o tempo passe...
Que passe o tempo para que a vida mude e evolua, para que se tenham novas vivências e experiências e um pensamento positivo de que tudo vai melhorar.
Por outro lado, não queria que o tempo passasse mas no sentido de (não) envelhecer, do tempo que se abate sobre nós e que não tem compaixão ou misericórdia sobre o nosso corpo e as nossas capacidades físicas. Nada tem a ver com o ficar agarrada ao passado...

Deixo as palavras dos especialistas sobre o assunto, do Observatório Astronómico de Lisboa:

Este ano o Solstício de Inverno ocorre no dia 21 de Dezembro às 10h 44min. Este instante marca o início do Inverno no Hemisfério Norte, estação mais fria do ano. Neste dia, o sol no plano da eclíptica passará pela declinação mínima (latitude ao equador) de -23° 26′  4″, atingindo o máximo de fluxo de energia solar (J/m2) no hemisfério sul do planeta.
Produz também um dos dias mais curtos do ano no hemisfério norte: apenas 9h e 27min 4s em Lisboa. O dia 21 é igualmente curto até à casa dos segundos. A duração do dia será de:  9h e 8minem Bragança;  9h e 12min no Porto;  9h e 18min em Coimbra;  9h e 21min em Castelo Branco;  9h e 29min em Évora; 9h e 33min em Ponta Delgada;  9h e 37min em Faro;  10h e 0min no Funchal;
Esta estação prolonga-se por 88,99 dias até ao próximo Equinócio que ocorre no dia 20 de Março de 2017 às 10h 29min.
Solstícios: pontos da eclíptica em que o Sol atinge as posições máxima e mínima de afastamento (altura) em relação ao equador, isto é, pontos em que a declinação do Sol atinge extremos: máxima no solstício de Verão e mínima no solstício de Inverno.
A palavra de origem latina (Solstitium) está associada à ideia de que o Sol devia estar estacionário, no movimento de afastamento ao equador, ao atingir a sua mais alta ou mais baixa posição no céu.



2 comentários:

Pedro disse...

...e pronto!
A partir de hoje, sempre a ficarem maiores :)

Algures no Oeste disse...

PEDRO: Diz que sim... esperemos que sim...
:-)