terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Ei Universo, "what's going on...?"

Mas a verdade é que desde que me separei, e divorciei, que acontece algo que não acontecia antes, e garanto que isto é verdade: que é as pessoas falarem comigo...
Como é que eu hei-de explicar isto...? É que antes da separação eu estava sempre no meu canto e tal, por isso, não sei se a explicação disto está nos outros ou se fui eu que mudei algo em mim e não notei...
Desde que me separei que mal tenho tempo para 'respirar' sempre com tantas pessoas a 'quererem' falar comigo, sejam pessoas que conheço da minha vida, pessoas que conheço "de vista" ou pessoas nunca antes vistas. 
Seja no talho, na charcutaria, numa secção específica do supermercado ou no supermercado em geral, ou numa repartição pública, ou até no ginásio onde nunca falei com ninguém, e agora, mais recentemente, no Hospital onde tenho ido todos os dias por causa do internamento da minha mãe, há sempre alguém a (querer) falar comigo...
Mas isto não se fica por aqui... Através do Messenger, de SMS ou do telemóvel, as pessoas contactam-me, mas aqui são as pessoas que eu conheço mesmo, obviamente, e não estou com isto a dizer que não gosto ou não quero, é só porque às vezes nem consigo atender o telefone porque... também estão a falar comigo no meu trabalho ou noutra situação qualquer...
Parece que passei dum mundo silencioso para um mundo falador em que eu própria me vejo obrigada a falar, correndo o risco de parecer extremamente antipática e mal educada se não o fizer...
No ginásio estava sempre para lá no meu canto... Agora já falo com algumas pessoas que vão nos mesmos horários que eu vou, e há anos que também o fazem, tal como eu... Mas se encontro alguém desconhecido no balneário, também começam a falar comigo...
No Hospital já perdi a conta ao número de pessoas com quem tenho falado, pessoas que conheço do sítio de onde moro, da Escola do filhote, pessoas que conheço de vista mas que ali se aproximam, pessoas que conheci nas urgências e que têm familiares internados no mesmo sítio onde a minha mãe está e por aí fora...
Às vezes... às vezes já não sei para onde virar a cabeça para... falar...
E bem sei que é uma parvoíce estar a associar esta situação à separação e ao divórcio mas é que antes não me recordo de falar com tanta gente como depois de tal acontecer... Eu que achei que ia mergulhar numa solidão imensa qualquer, afinal, vejo-me rodeada de... gente e de pessoas realmente amigas que querem o meu bem...
É a vida...

6 comentários:

Pedro disse...

Querem ver que agora pareces uma telefonista dos antigos TLP a enfiar e desenfiar jacks nos buraquinhos do PBX :p

Pode ser por andares com melhor cara ou em melhor companhia ;)

"Rodeada de gente e de pessoas realmente amigas que querem o meu bem"
Ah, ah, ah, ah, ah!
Fia-te na virgem e não corras.
Estava o post a correr tão bem e espalhas-te logo na punch line.

Beijinho!

Algures no Oeste disse...

PEDRO: Pois, e a vida e as suas circunstâncias também nos modificam...

"Ora essa", ainda acredito, espero não estar a ser ingénua, que ainda tenho meia dúzia de pessoas chegadas e amigas que querem bem...

Beijinhos :-)

Pedro disse...

Calculo que me incluas nessa lista e também acredito que não seja, obviamente, o único a querer o teu bem. No entanto achei que a forma como escreveste foi num sentido demasiado lato e muito cândido, só isso.
Lembrei-me que ainda há pouco, apagaste ou bloqueaste do facebook 397 amigos que também só queriam o teu bem ;)
Beijinho!

Algures no Oeste disse...

PEDRO: Claro, é isso mesmo...
Pois é, se calhar pareceu algo demasiado "cândido" sim mas a ideia era que ainda há esperança...
Na verdade, apaguei esses "amigos" e tenho que apagar muitos mais... Mais de metade não sei quem são, e outros tantos estão lá já nem sei porquê pois meus amigos não são de certeza. Alguns até fingem que não me conhecem quando passam por mim na rua, então para que querem ser meus "amigos" no Facebook...
Há pessoas muito esquizofrénicas, coitaditas...

Anónimo disse...

Desculpe a intromissão, mas "apagou-se/fechou-se" ou exigiram que o fizesse? Provavelmente, por vezes, fazemos coisas que pensamos que é o correcto, ou que é o que nos pedem, e, afinal, o que pensamos está errado, e SÓ querem que sejamos como somos. As "Auto-imposições" são lixadas. E moralistas então... Coisas de outros filmes...

Algures no Oeste disse...

ANÓNIMO(A) das 14:36: Obrigada pelo seu comentário. Acho que apenas me acomodei no meu canto, achando, talvez, que não precisava dos outros... que não precisava de falar, que havia quem falasse por mim... Mas tem razão no que diz, às fazemos fazemos coisas que pensamos serem as melhores e afinal, não é bem assim...
Obrigada, volte sempre :-)