terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Neste dia...

Neste dia, mais ou menos por volta desta hora, mas há quatro anos atrás, dava conta de que tinha perdido o meu pai... 
Não há como o esquecer, não é possível, pois muitas são as vezes em que penso no meu pai e em como me "daria jeito" que ele cá estivesse para poder falar com ele e partilhar as coisas que se vão passando na minha vida e sobre as quais 'precisava' dum apoio, duma visão masculina, sábia e quase filosófica.
Ainda que o meu pai tivesse apenas a 4.ª Classe, era tudo menos uma pessoa limitada... Era um homem sábio e sabedor, conhecedor, vivido e é dele que guardo muitas memórias em relação à vida e ao ser humano... Tantas coisas que me disse e que eu na altura passava adiante por considerar aquilo tudo uma grande chatice, do género: "Lá vem ele com as suas filosofias e discursos que nunca mais acabam"...
Mas tinha razão. Tinha razão em tudo o que dizia. Eu é que na minha imaturidade e egocentrismo não entendia mas era nada... Mas agora entendo...
Fica uma canção para o meu pai. Também dizia que o Carlos do Carmo se estava a tornar muito vaidoso e tinha razão, mas gostava dele na mesma.
E o meu pai era um homem da cidade, sempre trabalhou e andou por Lisboa e não queria outra coisa. Foi com estranheza que me viu mudar para o Oeste, pouco ou nada gostava de cá vir, abominava o clima e as praias do Oeste e repetia incessantemente: "Lisboa é que tem tudo, isto aqui não tem nada nem se passa nada, e o clima é horrível"...
E tem (tinha) razão...
Com o passar dos anos apercebo-me que o clima do Oeste é pavoroso quanto ao frio e à humidade, nunca tanto tremi de frio na minha vida como aqui, nunca usei tantos gorros e cachecóis como aqui, e tudo é pequeno, tudo se vê e percorre num instante, tudo fecha cedo, não há quase nada...
Valem as paisagens, o sossego e as boas condições para viver para nós e para a educação e vivência do filhote...
Sinto-te muito a falta, pai...

4 comentários:

Pedro disse...

É a lei da vida. Temos de saber viver com isso. É sempre mau perder os pais mas deve ser pior os pais perderem um filho. Isso sim, já é contranatura.
No que diz respeito a "filosofias e discursos", ainda hoje teimas em não entender, ou fingir que não entendes. Gostas de fazer de avestruz. Espero que ainda mudes a tempo.
Quanto ao Carlos do Carmo, o teu pai tinha meia razão. É que ele não se tornou vaidoso. Sempre o foi. Nunca pude com o homem por causa disso mesmo.
Quanto ao Oeste, bem, quanto ao Oeste, já sabes o que penso…
Olha, não te esqueças que ainda podes ir a tempo e como diz o poeta "…goza bem a tua rota."
https://www.youtube.com/watch?v=-yffYgrWsVI

Luv u!

Anónimo disse...

Um beijinho grande neste dia de saudade! Sofia(Dinis)

Gaja Maria disse...

Um abraço :)

Algures no Oeste disse...

PEDRO: Como sempre, é mesmo tudo isso...
;-)
Beijinho grande...

SOFIA (DINIS): Obrigada Sofia... Um beijinho...

GAJA MARIA: Obrigada... Beijinho...