sexta-feira, 16 de junho de 2017

Eis como não me senti em Veneza... Estranha...

E eis o que acho cada vez mais do sítio onde vivo. 
A ruralidade a vir ao de cima num pequeno recanto algures no oeste... 
Nada que não soubesse antes, é só porque agora já não tenho os olhos tão... fechados...
Como costumo dizer, eu nem sou de cá, só estou a ver os carros a passarem... Não sou nem nunca quis ser...
Tenho pena de algumas pessoas. São pobres de espírito e certamente não têm vida própria... Aposto que se mordessem a língua, iriam morrer de tanto veneno que têm na dita... Disso e de tanto ressabiamento...

Em pleno Século XXI continua a causar confusão e dor de corno que uma mulher, depois do divórcio, siga com a sua própria vida, não morra miserável e, mais estranho ainda, tenha o seu emprego e que "não precise de nenhum homem" (isto no sentido muito lado e económico da coisa) para continuar a sua vida e conseguir manter a sua casa, o carro, pagar as contas e ainda ter um filho a cargo...
Ah, e pior ainda. É livre e faz o que quer e, imagine-se, vai (foi) viajar e não se vê o carro ou a cadela dentro de casa... Parece impossível!!!
Devia ficar em casa a engordar e a ficar desdentada enquanto carpia as dores dum divórcio e devia agir como se fosse uma pobre viúva e morrer para a vida. 
Devia, principalmente, não conseguir sobreviver após o divórcio...
Aquela velha estória de que as pessoas são condescendentes e gostam é de vítimas, confirma-se. Por isso, a TVI tem tanto sucesso com os dramalhões alheios.
Quando somos livres e arriscamos a viver... Ah, isso não pode ser. É crime (tentar) ser feliz...


The Doors - People Are Strange


People are strange when you're a stranger 
Faces look ugly when you're alone 
Women seem wicked when you're unwanted 
Streets are uneven, when you're down 
When you're strange 
Faces come out of the rain
When you're strange 
No one remembers your name 
When you're strange
When you're strange 
When you're strange 
People are strange when you're a stranger 
Faces look ugly when you're alone 
Women seem wicked when you're unwanted 
Streets are uneven when you're down 
When you're strange 
Faces come out of the rain
When you're strange 
No one remembers your name 
When you're strange
When you're strange 
When you're strange 
When you're strange 
Faces come out of the rain 
When you're strange 
No one remembers your name 
When you're strange
When you're strange 
When you're strange

2 comentários:

Miguel Bondurant disse...

:) estás no caminho certo

quando se mora num lugar pequeno (física e geograficamente) temos de estar preparados para que as mentalidades sejam proporcionais.

O resto é mesquinhez de um povo sempre pequeno, em que cada um disfarça a sua "vidinha" a falar das dos outros...

Bom dia Algures no Oeste

Algures no Oeste disse...

Miguel: Obrigada, é isso mesmo, as mentalidades são proporcionais em tamanho e mesquinhez ao sítio (pequeno).
Enfim...
Bom dia :-)