quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Não pensei que fosses tão...

E chega um dia na nossa vida em que ouvimos esta frase.
Numa conversa sem importância fala-se de idades e eu já sabia que dentro daquele "grupo" era a mais velha.
E as idades chegam à conversa.
Constato que afinal sou realmente mais velha e dez anos é a diferença até que me perguntam a idade.
Para quem tem 25 ou 26 anos, é compreensível que ache que ter mais de 30 já é uma grande diferença e vai daí que quando eu disse que tinha 36 anos ninguém acreditou e surgiram as frases que se dizem às pessoas mais velhas.
Não pareces nada.
Não pensei que fosses tão... (silêncio constrangedor)...
E eu disse, velha!!!
Pois é, mas sou, vou a caminho dos 40 e não pareço ter 36 anos mas tenho. E viva o ano de 1974, o ano das revoluções.
Isto leva-me a pensar que a minha idade mental deve corresponder ao físico que não aparenta ter 36 anos, mãe dum filho, madrasta doutro, casada, dona-de-casa, em suma, uma senhora, uma mãe, mas uma senhora maluca que corre e anda de bicicleta como se não houvesse amanhã.
Há uns anos atrás eu era a mais nova. Agora vou sendo a mais velha... O tempo passa demasiado depressa....

3 comentários:

SC disse...

Mas a alegria, a vivacidade e a simplicidade dos nossos 30 e is ninguém nos tira.
Tomaram muitas meninas novas serem como nós!Lol
Fala outra trintona!

Jokas

Maria disse...

Sou do mesmo ano!!!
E também me dão menos 8 anos!!!!
28 anos! é o que me dão e eu rio-me!!!

Beijoquinhas fofas e viva os trintaaaaaa!!!!

:)

Isabel disse...

Eu também adoro ouvir isso! E felizmente também me sinto mais jovem do que sou.
Beijinhos grandes, com saudade!