quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Detesto que me queiram impingir coisas...

Deve ser algum trauma de infância que eu tenho mas não gosto, diria mesmo que detesto, que me queiram "impingir" coisas, sejam elas bens ou serviços. Não gosto de vendas 'agressivas' e prefiro ser eu a tomar a iniciativa caso queira aquirir ou comprar algo. Aliás, até posso estar indecisa em comprar algo ou não mas se me tentam vender ou impingir, desisto na hora de o fazer.
Isto tudo para referir o que me aconteceu nas semanas que passaram em que decidi experimentar uma nova cabeleireira e uma nova estéticista. Apeteceu-me mudar e experimentar sítios diferentes daqueles onde vou desde que me mudei para o Oeste.
Primeiro a Estéticista, recomendada por uma amiga/vizinha. Lá fui eu ao fim do dia depois de um dia de trabalho intenso. Gostei do seu trabalho e até foi rápida mas... eis que eu tenho muitos pelos encravados, eis que uma exfoliação me faria muito bem à pele e aos pelos que tinha encravados nas pernas. Eu sabia disso, não precisava que alguém que eu estava a ver pela primeira vez me o dissesse. Referi que me esqueço de exfoliar e de usar uma luva de crina. Depois parecia que estava a duvidar que eu nunca tivesse usado unhas de gel, tudo porque tinha as unhas numa lástima, cheias duma espécie de "estrias" e muito secas. Eu detesto que duvidem da minha palavra, principalmente quando é alguém que me está a prestar um serviço pela primeira vez e mesmo que eu tivesse usado unhas de gel e estivesse a dizer que não tinha usado, o que valia era a minha palavra... Fica muito mal duvidar duma cliente, digo eu que nem presto serviços...
Por fim, claro, colocou um pouco dum creme exfoliante na minha pele para eu ver como era óptimo e pegou no frasco para que eu o trouxesse. Aqui está o que eu detesto, quererem impingir-me algo. O creme custava quase 20€ e é claro que não o trouxe. Vim embora e tenho sérias dúvidas sobre o facto de lá voltar...
Depois fui a um cabeleireiro num 'shopping'. Todo moderno, com promoções na montra mas eis que quando me sento para dizer o que queria, o que estava na promoção (cortar, lavar e secar) sou confrontada com preços extra para cremes amaciadores, tratamentos e massagens na cabeça e mais não sei o quê. Pronto, lá me apanharam e fiz uma massagem que custou mais 4€ do que o preço inicial.
Durante o corte fiquei a saber que o meu cabelo estava muito seco e que devia trazer dois produtos (!!!), um para a noite e outro não sei para o quê. Cada um custava cerca de 20€ e, mais uma vez, não trouxe nada. Até gostei da cabeleireira e do corte mas detestei a música que estava a tocar, parecia estar numa discoteca duvidosa, não gostei do impingimento dos extras para além da promoção e muito menos do impingimento dos produtos.
Bolas, eu sei que a vida está má e que devem receber comissões na venda dos produtos mas foi a primeira vez que fui a serviços de estética e cabelo e em que me quiseram mesmo impingir produtos, algo que eu abomino.
Posto isto, resta-me "meter a viola no saco", deixar-me de inovações e variações e voltar ao Salão onde comecei a ir desde que estou no Oeste porque nunca na vida delas, desde a minha primeira ida lá, me tentaram vender fosse o que fosse, tivesse eu o cabelo espigado, seco, embaraçado, os pés cheios de calos, as mãos cheias de peles e as unhas secas, celulite no rabo ou pelos encravados. Pelo contrário, até me aconselharam a luva de crina, "normal", que se compra nos supermercados.
Este post está enorme mas não queria deixar de falar nisto porque nunca tal me tinha acontecido e chateou-me bastante...

(foto da net)


5 comentários:

Sofia disse...

LOL
Pois, também não gosto nada... mas é o que acontece cada vez mais...

Beijinhos

Maria disse...

Também detesto que me tentem obrigar a comprar seja o que for... é isso e os tais olhares e palavras a desconfiar do que estou a dizer...

beijoquinhas
:)

kombi disse...

sou tal e qual só com uma grande diferença, esteticista nunca fui, se as "antigas" nunca foram e têm peles lindas é pq o que se faz lá não faz diferenças, cabeleireiro sou só de cortar e ai de quem me coloque algo que não quero, friso logo o que quero e nem adianta virem com conversas, talvez por isso qd vou á cabeleireira ela responde "vai ter que esperar tenho marcaçoes" mesmo que não esteja lá ninguém, mas não me faço de rogada e sento-me á espera....mas atende-me logo.....pago 6€ para lavar, cortar e secar, só lá vou quase de ano a ano, ando quase sempre de rabo de cavalo e de "cara lavada"

e as brasileiras uiiii tenho algumas conhecidas que trabalham na area de estetic.....nem lá ponho os pés por mais que me queiram convencer...´que depois são mto simpaticas viramos costas e dizem " as portuguesas são umas porcas".

fazes mto bem em discordar.

Sandra e Dinis disse...

És cm eu, se me impingem nc mais lá ponho os pés e não compro nada. E agora tb está na moda venderem bijuteria e roupa nas cabeleireiras, impingirem às pessoas k ainda por cima é a 1ª vez k lá vão, não é bom para o negocio, pois cm tu deve haver mais pessoas a fazer o mm e não ir lá mais!!


bjs

Isabel disse...

Também odeio que impinjam coisas!

Beijocas!