terça-feira, 1 de março de 2011

Dualismo de não aceitar nada de estanhos

Tenho tentado incutir no meu filho a ideia de não aceitar nada de estranhos, de desconhecidos, de pessoas que não conhece e pelos vistos saí-me bem e quem ficou sem saber bem como resolver a situação fui eu...
É que à saída de um restaurante o dono saca de um chupa-chupa (algo que o filhote adora) para lhe oferecer e a oferta foi recusada. O filhote baixou a cabeça e disse continuamente que não mesmo quando eu e o pai, aqui já quase encavacados, dizíamos para aceitar...
Às tantas sai-me esta pérola que é "oh filho, aceita o chupa-chupa do senhor porque parece mal não aceitarmos o que nos estão a oferecer".
E aqui caí em mim e o pai atento disse-me logo que assim o estava a confundir porque lhe tenho ensinado a não aceitar nada de estranhos.
Ainda assim o filhote nunca quis o chupa-chupa mas duma situação tão simples fiquei a pensar como 'gerir' esta coisa de educar e ensinar o que é melhor porque realmente aceitar coisas de estranhos, nem pensar, e não aceitar coisas de pseudo conhecidos que nos estão a oferecer também "parece mal"...

1 comentário:

SC disse...

Pois... é isso mesmo dualidade.
E o teu maridão tem razão... assim confundes a cabeça do filhote. Mas também te digo... não sei que te dizer, porque é isso mesmo: não aceitar nada de estranhos, mas... depois há estas situações. O que fazer?! Como dizer?!Olha se calhar se fosse comigo a pensar agora a frio, teria dito ao sr do restaurante o porque e pedia desculpa por ele delicadamente. Penso que a pessoa compreenderia. Aliás, se todas as pessoas educassem os seus filhos assim, evitar-se-iam algumas coisas.

Jokas