quarta-feira, 2 de março de 2011

Frieza ou calejamento ou só 20% importa...

Hoje disseram-me que iam ao sítio onde trabalhei durante dez anos e que sempre adorei em termos laborais e em termos pessoais, de amizades e ligações que criei.
Sempre pensei que este tipo de conversa me "afectasse" de alguma forma mas... não afectou e na verdade não senti (quase) nada de especial até porque algumas das pessoas que me são especiais também já lá não estão...
Não senti saudades nem mandei beijinhos para ninguém porque se algumas das pessoas quisessem muito saber de mim e do meu filho, como as tais que já não estão lá mas com quem mantenho contacto, teriam enviado e-mails, mensagens no facebook, sms e sei lá que mais porque formas de comunicação é algo que não falta hoje em dia...
Com a mudança dei também razão ao ditado "longe da vista, longe do coração" e à teoria não sei quantas da Gestão que diz que em tudo na vida, na Gestão principalmente, só interessa 20%. Por exemplo, que numa organização só 20% dos recursos humanos é que efectivamente trabalham e fazem realmente falta, só 20% dos recursos funcionam e por aí fora.  E eu tenho usado esta teoria à minha vida pessoal. Só 20% das amizades ficam, só 20% das pessoas que conheço é que interessam, só 20% do meu mundo é que gosta de mim, só 20% de quem conheço vale realmente a pena.
Posto isto, não me surpreende que 80% das pessoas que "deixei para trás" nada mais tenham dito ou perguntado se eu estaria boazinha, se o meu filho estaria bonzinho também. Esta mudança ensinou-me que 80% dos seres humanos que nos rodeiam só nos dão é desilusões e, mais tarde ou mais cedo, 'atraiçoam-nos' mesmo que seja sem querer...
Pessimista...? Não... É a minha experiência a falar e com esta mudança para o Oeste já tenho um pós Doutoramento em amizades, relações humanas e crescimento emocional...

3 comentários:

mamã da princesa disse...

É Mulher... assim é que se fala!!!!
E agora lembrei-me do velho ditado "quem te viu e quem te vê"!
Gostei...

(desculpa usar o termo "É Mulher", mas foi realmente a expressão que me veio ao pensamento assim que te li... foi no bom sentido e de espanto mesmo, espero que compreendas, mas nestas coisas gosto de escrever o que pensei de imediato e não estar a remoer as palavras, só se for assim uma coisa muito... obscena! Desculpa o testamento da justificação. Maior que o comentário em si...)

Beijinhos grandes

akombi disse...

os tempos que vivemos são mto estranhos no que toca a relações humanas, até se nota no relacionamento de casamento....é tudo cada um por si.....dá-se a desculpade que é falta de tempo mas não me parece, acho que se vivem tempos que tudo tem importância menos os sentimentos, até mesmo entre familia existe sentimento de rivalidade em vez de interajuda ( não é o meu caso pq tenho uma familia pequena, sem cunhados(as) e só com 1 irmão) mas noto em familias que convivo situações mto estranhas, até entre crianças.

Cristina disse...

Revejo-me no que dizes. Sempre me liguei com muita facilidade às pessoas e levei muitos pontapés por ser assim. Aprendi muito com o nascimento do meu filho. Foi nessa altura que vi quem é que realmente se preocupava comigo. E tive boas surpresas de pessoas que não esperava. Mas também admito a minha culpa na falta de contacto com as pessoas. Não posso esperar que elas se lembrem de mim, se eu não lhes digo que me lembro delas.
Um abraço e vamos aproveitar o sol que hoje brilha cá no Oeste.