sexta-feira, 11 de março de 2011

Há uma semana atrás fui da tristeza imensa à imensa alegria em segundos

Há uma semana atrás tirei a tarde para poder assistir ao desfile de Carnaval onde o meu filho iria participar. Sem sabermos se iria chover ou não, permanecia a dúvida relativamente ao local onde a mesma iria decorrer pelo que parecia uma barata tonta à procura do meu filho e da sua escolinha.
Estaciono o carro e assim que saio vislumbro um amontoado de cores em movimento. Eram eles! Os meninos da sala do meu filho e os da sala a seguir, os mais velhos portanto, vinham a pé porque afinal não chovia e não estava frio.
Logo aqui fiquei quase em êxtase porque como vinham todos vestidos de igual não conseguia perceber qual deles era o meu filho. Começo a tirar fotos e quando se aproximam vejo o meu filho e ele vê-me a mim. E aqui aconteceu um 'flash' de emoções que durou alguns segundos. Deu-me uma vontade imensa de chorar pela alegria de ver o meu filho tão giro e bem disfarçado, de ver o seu sorriso de felicidade quando me viu, mas também pela tristeza de naquele momento estar sozinha.
O pai ficou "preso" em Lisboa porque o mano afinal tinha aulas até mais tarde e a ideia de todos assistirem ao desfile foi por água abaixo.
Sozinha. Sem ninguém por perto. Sozinha. Sem avós, sem companhia. Sozinha de máquina fotográfica na mão.
Sozinha inspirei fundo e pensei que a fonte da minha maior alegria estava ali comigo e assim canalizei todas as energias para o meu filho e acompanhei o desfile ao seu lado, tirei fotos, atirei e distribuí serpentinas e papelinhos.
No fim não voltou à escolinha e a tarde estava tão amena que nos sentámos os dois numa esplanada a comer gelados. Sim, o filhote comeu dois (!), eu comi um e bebi um café... E de repente o meu filho pareceu-me tão crescido, tão companheiro, tão conversador, tão sossegado... E agradeci ao universo por ter um filho saudável, bonito (baba de mãe), 'normal' e que me enche de orgulho...

1 comentário:

akombi disse...

os filhos despertam em nós emoções imagináveis.

tb me senti assim de lágrima no olho em certas situações das minhas filhas, mais da mais velha, é que com a mais nova já estou calejada, e tb devido á maneira de ser dela tenho que me mostrar mais forte se não somos as duas a chorar :O