quarta-feira, 30 de novembro de 2011

"Deixa-me em paz!"

Há uma altura em que uma mãe fica assim sem expressão, sem palavras, sem saber como reagir...
De manhã a tomarmos o pequeno-almoço, comecei a ficar 'stressada' porque o filhote estava a demorar imenso tempo a comer...
Sem levantar a voz e sem ralhar muito, pedi-lhe que se despachasse porque hoje tinha mesmo que estar a determinada hora num certo sítio.
E vai daí que responde ele um insípido "Deixa-me em paz!". E eu fiquei... Fiquei sem saber se ralhava, se mudava de 'estratégia', se conversava sem ter tempo de manhã para isso, ou se nada dizia...
Na verdade fiquei magoada e sentida, senti-me uma mãe chata, e disse-lhe para não me voltar a dizer aquilo porque não me pode responder desta forma aos pais...
Desde que fez 5 anos que o noto mais 'respondão', mais confiante, mais teimoso, a contrariar-nos mais, a fazer birras que era algo que não fazia há imenso tempo porque aceita muito mal o facto de ser contrariado...
Confesso que tenho momentos de desespero e de pouca ou nenhuma paciência.
Depois "auto flagelo-me" em pensamento por ralhar e ferver em pouca água, afinal a adulta sou eu, mas com tantas posições rígidas que o filhote toma, fico assim sem saber bem o que fazer. Afinal só tem 5 anos, não tem 10 ou 12...
:S

1 comentário:

Luísa disse...

Mais uma fase mas o objectivo é sempre o mesmo: testar limites. Aqui foi a mesma coisa, às vezes parece-me que lido com um pré-adolescente. Eu ralho e tento aparentar não ficar afectada quando temos situações semelhantes. O "Olha que não sou tua colega e não falas comigo assim!" já foi dito várias vezes aqui em casa. Não te preocupes demasiado, faz parte.