sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Estou sempre a ler frases no Pinterest que mandam olhar para a frente e esquecer o passado

Mas às vezes pura e simplesmente não consigo desprender-me do passado, libertar-me, não ligar a detalhes sem importância, não fazer comparações, não ficar afetada ou triste com coisas que já lá vão...
Na verdade hoje foi o início da escola do filhote. Lá fomos todos entusiasmados e correu tudo muito bem. Hoje foi só a apresentação, o tratar de detalhes burocráticos, o esclarecimento de dúvidas, a indicação dos materiais e por aí fora.
Gostei bastante do ambiente e das novas pessoas que vão acompanhar o filhote no processo da aprendizagem e da educação, senti-me à vontade e pensei que podia estar no seu lugar mas... não estou. Não estou mas entendo e compreendo tudo o que dizem e pretendem...
Bom, mas como estava a dizer, no caso lá fui eu agarrar-me às memórias passadas, a sentir-me magoada, a dar importância ao que não devia.
Lembrei-me que antes de ter filhos tinha amigas com filhos e que no dia em que esses filhos se iniciaram na escola eu fui acompanhá-los e partilhei da sua felicidade e emoções vividas...
Bem sei que entretanto me mudei para o Oeste e que fiquei distante de muitas dessas pessoas mas dei por mim em divagações e a pensar que ninguém dessas pessoas se interessava pelo meu filho, nem agora que vai para a escola, nem mesmo quando nasceu... Quase ninguém ligou aquando do seu nascimento e fiquei sempre a 'pensar' nisto...
Mas pronto, quem está, está, quem não está, não está, nem sei porque ainda dou importância a estas coisas...
E por fim os avós. Que primeiro vinham para ver o neto a ir para a escola. Afinal não veio ninguém. Como se de uma espécie de punição se tratasse por nos termos mudado para o Oeste para longe de tudo e de todos e agora toma lá que não estamos presentes.
E assim de repente, no misto do nervosismo duma mãe que vê o seu filho ingressar no 'sistema', na escola 'a sério' com as ausências, ali estava eu deveras ansiosa e um pouco triste ao mesmo tempo.
Mas assim é a vida. Porque raios continuo eu a matutar nestas coisas se já sei que só posso contar connosco mesmos?!
Enfim...
Vamos ver como corre agora a Escola e como será a partir daqui...
 

3 comentários:

Elisabete Cruz disse...

Nós mulheres damos muita importÂncia à parte sentimental e pensamos em tudo...o que nos fizeram no passado e presente para mudar algo no futuro...mas uma coisa não te esqueças por vezes a desculpa da "distância" não é justificação...porque se quer tudo se consegue. Mas sabes que mais, PARABÉNS por esta nova etapa do teu filhote...eu ainda não sei qual é a sensação de ser mãe mas deve ser maravilhosa...apenas tenho sobrinhos :o)

Beijinhos
Elisabete Cruz
http://entretralhasepanelas.blogspot.pt/

Manuela disse...

Não sei que idade têm os teus pais, mas provavelmente também já lhes custa estas deslocações, não?
A mim também me custaram muitas atitudes, não da minha mãe, mas do meu pai. Infelizmente já não tenho nem um nem outro, mas tenho outras pessoas na minha vida que após o nascimento do Leo me desiludiram muito...
Com o tempo criei uma carapaça protectora e hoje já não conto com ninguém excepto comigo mesma.

Quanto a ti, passa por cima, só te magoas a pensar nisso, partilha com o pai do eu filho essas dores e se achares que te pode ajudar procura um terapeuta.

Manuela disse...

A propósito, também ando com uma vontade louca de me mudar para o Oeste, mais para a zona entre Ericeira e Torres Vedras. Andamos à procura de uma quintinha com cerca de 1 a 2 hectares com potencial agrícola e que não nos cobrem uma fortuna. Se souberes de alguma coisa diz...