segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Por vezes a vida...

Por vezes a vida não é nada do que imaginei ou expectei...
Noutras vezes é surpreendente e acontecem coisas que não esperava ou imaginava e que, ainda assim, são boas, muito boas, e deixam-me feliz.
Suponho que tudo dependa da forma como vemos ou encaramos as coisas e a vida.
Só que há dias em que parece que realmente quase nada corresponde ao que se imaginou.
Nunca me imaginei a viver no Oeste, por exemplo, nem a sair de Lisboa, do sítio onde trabalhava...
Nunca me imaginei a viver longe dos meus pais e por vezes sinto que o meu espírito não está tranquilo por causa disso porque os sinto a envelhecer e a perder capacidades.
Patetices lamechas... Não sei se será bem assim, afinal, sou o que lhes resta, eu e o neto...
No entanto, à medida que os dias passavam, quando lá estivémos nas férias, eu sentia a falta do Oeste e do que me é proporcionado nesta (nova) vida mais rural. Senti que o sitio onde nasci, cresci e sempre vivi pouco tinha (ou tem) para oferecer a quem lá está, que se tornou numa espécie de dormitório, que se tornou num sítio cheio de gente envelhecida que passa os dias a conversar pelas ruas e pelos cafés...
Mas por vezes a vida parece testar-nos e à nossa paciência e capacidade de resistência...
Muitas vezes não vivo nada do que imaginei ou esperava.
Muitas vezes sinto ou vivo uma miscelânea de sentimentos que nem a vida nem o próprio mundo parecem entender...

2 comentários:

Maria Sem Frio Nem Casa disse...

é... tudo tem os seus prós e contras e nem sempre é fácil viver com as decisões tomadas nem tomar outras.

Carla Isabel disse...

Para mim, fizeste bem mudar! ;)

Beijinho grande