segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Falar ou não falar, eis a questão

Por vezes gostava de ser uma pessoa mais "viva" mas não sou... Por norma sou, e sempre fui, calada, caladita... Quero com isto dizer que nunca fui muito expansiva nem de grandes conversas, risos ou de ficar à vontade assim de repente.
Assim de repente sempre fui, e continuo a ser, mais de ouvir. Só falo mais com quem me é realmente mais próximo. Só me começo a rir e a falar mais, e até a gracejar, quando ganho confiança com as pessoas.
Contudo, o meu "semblante" típico e comum é o estar calada e não falar muito e às vezes gostava de me "impôr" mais falando, quiçá até com um tom de voz umas notinhas acima...
Não me recordo de estar à vontade a falar para várias pessoas e por muito estúpido que isto possa parecer, às vezes penso que se tivesse que perder um dos sentidos, que fosse a fala porque então em dias de neura só queria era ficar calada e que não me chateassem. Até podia escrever mil posts aqui no blog mas falar... Falar já é outra coisa...
E à hora de almoço fui dar um jeito no cabelo, penteá-lo, cortar as pontas para dar um pouco mais de volume e a verdade é que enquanto ouvi e fiquei a saber que duas pessoas tiveram vários animais de estimação, os seus nomes, quantos anos viveram e/ou se são do presente, doenças, tratamentos, raças, relacionamentos dos animais com os amigos dos donos e por aí fora, de mim ninguém ficou a saber da minha dor por ter perdido a minha gata há um mês e tal, nem o seu nome, nem que tinha 11 anos e que me seguia e venerava pela casa fora, que ainda tenho um gato a caminhar para velhote que se senta à mesa do pequeno-almoço na esperança de lamber o leite que restou dos flocos ou do leite com chocolate do filhote e que ainda tenho uma cadela que é a minha princesa com o seu olhar dócil e terno...
Apeteceu-me fechar os olhos e adormecer enquanto a água quente me afagava os cabelos e as mãos que os lavavam me fizeram sentir uma espécie de massagem. Soube-me bem. Soube-me bem o corte e o esticar brusco do cabelo com a escova e o secador.
Gosto de ser penteada, que posso eu fazer... Mas durante este processo recorri a milhentas e diversas expressões faciais porque da minha boca nada ou quase nada saíu.
E tem sido quase sempre assim. Algumas pessoas "apanham-me" e começam a falar-me da sua vida, nem que seja por terem ido ao mercado ou à drogaria.
Pena que algumas pessoas não percebam nem saibam que também eu teria tanto para dizer mas fica para depois...

1 comentário:

sam disse...

Ser reservada não é defeito, é feitio. Também geralmente ,sou assim :)