quarta-feira, 31 de julho de 2013

Não sei se a nossa relação vai voltar a ser a mesma

Como sou de contrariar algumas coisas que penso e sinto, ontem ao final do dia lá me decidi a ir pedalar.
Equipei-me a custo mas como estava calor levei apenas uns calções curtos e uma blusa de manga curta de ciclismo. Estranhamente insisto nos sapatos de encaixe e depois de preparar as bebidas isotónicas, com pouca vontade e pouca confiança, peguei na bicicleta e fui. Ou melhor, fomos, porque sózinha é algo que agora não me apetece...
Partimos e sinto-me e estou tensa. Agarro a bicicleta com demasiada força. Vou demasiado contraída. Nas descidas vou extremamente devagar porque na minha cabeça ecoa que tenho 98% de hipóteses de cair novamente.
Deixei de confiar em mim que, supostamente, mando na bicicleta e, principalmente, deixei de confiar na bicicleta e não faço a mínima ideia de se alguma vez a nossa relação vai voltar a ser a mesma...
Sinto que é algo parecido como quando um grande amor ou um grande amigo ou alguém chegado nos trai de qualquer forma, nos desilude, nos faz algo com o qual não contávamos. E a partir daí, ainda que tentemos 'reatar' a nossa relação com aquela pessoa, porque queremos que as coisas resultem e porque deve haver sempre uma segunda hipótese, sente-se que as coisas já não são iguais, não é mais a mesma coisa. Que há ali algo de forçado e de 'obrigatoriedade' que retira o prazer que tínhamos e sentíamos na sua companhia...
É precisamente assim que me sinto relativamente à bicicleta. Sinto-me desgastada e desconfiada. Quero muito que as coisas resultem. Quero voltar a estar em forma e pedalar por esse mato fora. Quero voltar a ter prazer em andar de bicicleta, quero voltar a só pensar em trilhos. Quero sentir novamente aquele frenesim de estar em qualquer lado e de pensar constantemente que só me apetecia era ir pedalar, fugir com 'ela'...
É que agora... Agora não sinto nada disso. Sinto dor e desilusão. Sinto as mágoas de quem foi muito magoado e que pelo menos por enquanto não consegue ultrapassar isso e bloqueia e pedala quase só para se obrigar a isso.
Eu e tu... Tu e eu... Será que alguma vez vamos voltar a ser como éramos antes...
Visto deste momento não faço a mínima ideia...


2 comentários:

Alexandra de Amorim disse...

Tens medo, é natural. Mas foi um acidente. E, infelizmente, acidentes acontecem com ou sem veículos, mais ou menos graves, todos os dias (não estou a ajudar, pois não? ;) ). A única coisa que podes e deves fazer é ter cuidado.

JOSÉ GOUVEIA disse...

Amiga, com o tempo esse medo vai passando e vais ganhando de novo confiança. Mas só o consegues se tentares abstrair a tua mente do que aconteceu.