quinta-feira, 25 de julho de 2013

Pensei em chegar a casa

Pensei em chegar a casa e atirar-me para cima da cama mas ela ainda não estava feita, estava a 'arejar', tal e qual como a deixei quando saí de casa.
Não que esperasse que a minha mãe a fizesse, nada disso, mas parece que há sempre uma qualquer esperança de que as coisas apareçam feitas. Eu já devia saber que não é assim. A minha mãe está mais velha e mesmo ainda com o braço ao peito nunca 'me fez' a cama. Todos os dias fazia (e faço) a cama, a custo, apenas com o braço esquerdo. Agora o direito já ajuda mas custa um pouco na mesma.
Cheguei a casa vinda duma volta trivial e banal, de quem foi jogar no Euromilhões e deu dois dedos de conversa com uma amiga que nos diz na cara, porque é uma amiga verdadeira, "não te acho nada animada". E achou bem. No fundo, o que há assim para animar a minha vida...
Esta noite foi pavorosa com dores. Há muito que tal não acontecia. Foram tantas as dores, e mais uma vez depois duma sessão de Fisioterapia, que tive que tomar um comprimido para as ditas e eu não tomava medicação há mais de um mês... Sentei-me na cama, levantei-me, tentei esticar-me e as dores não passavam. Suponho que adormeci pelo cansaço e hoje as olheiras são visíveis...
Vou entretanto do Euromilhões para a Farmácia. Isto lido ou visto assim, parece mesmo 'vida de velha'... Fui à Farmácia em busca do creme para a cicatriz. É o segundo porque o primeiro durou dois meses. Todos os dias, religiosamente, coloco creme na cicatriz de manhã e à noite...
Vamos ver se dá algum resultado porque na Farmácia avisaram-me logo que não podia apanhar Sol e isso eu já sei de cor e salteado...
Como fazia uma semana que me tinha pesado, lá fui eu para cima da balança. Pensei que iria ter perdido mais peso porque entretanto fechei mais a boca mas qual não é o meu espanto quando constato que, em relação à semana passada, perdi uns míseros 150 gramas como se se tratasse de fiambre que compramos no supermercado...
Fiquei tão em baixo com os resultados... Parece que nada mais é como outrora em que subia para a balança e era ver o peso a diminuir... Agora parece estagnado neste número e só mudam os gramas... E leva-me a ter que perder os tais dez quilos para voltar ao que era... 
Penso em ir a correr para o ginásio, em ir a correr para ir correr, penso em não comer, penso em tudo irracionalmente e acabo por ir tomar um café solitário numa esplanada, debaixo duma sombra quente.
Por instantes levo as mãos à cabeça e pergunto-me em que se tornou a minha vida... Penso muito, penso em tudo, penso nas palavras da minha amiga que ecoam na minha cabeça como uma espécie de consciência: "não te acho nada animada" e prossigo pensando que não dormi nada por causa das imensas dores que tive, que tenho dez quilos a mais, que tenho receios, que, que, que, que...
Venho para casa e em vez de me atirar para cima da cama, atiro-me a fazê-la e depois ligo o computador porque a vontade de escrever era mais que muita...

1 comentário:

Nainho disse...

Dias difíceis..
Se estas a atravessar o inferno só tens a solução de não para até dele sair... keep going!