domingo, 4 de agosto de 2013

Domingo...

Ao contrário dos domingos de 'antigamente', não fui pedalar logo de manhã. Não poderia ir porque não tinha com quem deixar o filhote, já que o pai cá de casa foi andar de bicicleta por estar já tudo combinado.
Noutra altura ficaria quase irritada, acho eu, por não poder ir andar de bicicleta num domingo de manhã. Agora... Agora não me importei. Tratei do almoço e do jantar. Dei um jeito nas coisas, fomos ao supermercado e tudo nas calmas. Por fim ainda fomos os dois tomar café na bicicleta. Os dois, quer dizer, os dois de bicicleta mas apenas eu bebi café...
Mas à tarde é que foi. Fui com o filhote dar uma pequena volta e parece-me que tenho um pequeno BTTista cá em casa. É ágil, não tem medos, faz subidas e anda muito à vontade na bicicleta, tanto que mais parece que quem anda atrofiado com medos sou eu e não ele...
Ainda demos uma voltinha de 10 kms e na verdade foi bom, apesar de ser tudo em ritmo mais lento, claro. Mas não faz mal. Olho para o lado e penso em nós daqui a vários anos. 
Eu mais velhota. O filhote rápido e com força.
E assim é a vida. 
É que por muito que (não) queira, não passa dia nenhum em que não me lembre do meu pai, da família que éramos, da criança e da filha que fui. Sem eu querer, tenho memórias e lembranças de coisas que vivemos, de sítios por onde passámos, da nossa relação de pai e filha. 
E depois por causa disso olho para o meu filho e penso na nossa relação de mãe e filho. E que o tempo passa muito depressa. Tão depressa que um dia as pessoas que mais amamos partem e nem damos conta, nem lhes dissemos tudo o que queríamos ou sentíamos. 
Continuo a achar muitas vezes que o meu pai ainda está em casa. 
Recordo-me da sua voz, de tudo, e nesses instantes apodera-se de mim uma melancolia que me deixa imensamente triste mas respiro fundo e tento não 'me deixar abater' por causa do meu filho...


1 comentário:

Vera, a Loira disse...

A minha amiga de pedaladas tem 51 anos, vai comigo fazer O Caminho, o filho tem 20, não vai connosco mas anda sempre connosco, um dia podes fazer isso, toda a família a andar de bicicleta e quem sabe quando fores a Santiago o teu filho também vai, quando fui em Julho vi algumas pessoas com os filhos ainda pequenos a acompanhá-los, deixa o teu crescer um bocadinho e vais ver. Quanto ao teu pai, compreendo-te bem, nem quero imaginar, mas não sei bem o que dizer, um beijinho, é só.