domingo, 1 de setembro de 2013

Terapia de choque

Quase 5 meses depois de "A Queda & respetiva e contínua recuperação & Fisioterapia Lda.", e muitas dores depois, e pensando que tal nunca voltaria a acontecer, participei numa Meia Maratona, de BTT, claro.
Não o comentei com quase ninguém porque muito provavelmente achar-me-iam semi louca ou quiçá tresloucada mas como me apercebi que o percurso iria ser algo 'rolante', decidi arriscar.
Lá fui sem qualquer expetativa, o meu único objetivo era concluir a prova mesmo sabendo que poderia demorar muito mais tempo do que era esperado.
Dei conta logo no início que fui ficando para trás de toda a gente e dei conta que a minha pulsação estava demasiado elevada para o que estava a fazer, frequentemente o pulsómetro apitava... Aí vieram à tona os quilos a mais e os treinos a menos. O "estar parada" durante tanto tempo nota-se agora e não é que antes fosse muito rápida a pedalar mas agora em recuperação estou ainda mais lenta.
Se por um lado não queria saber, por outro, fico irritada com as minhas prestações e não devia ficar. Ainda não estou a 100% e tenho passado por muitas coisas menos boas nos últimos tempos...
Pelo caminho parava para beber bebidas isotónicas e energizantes porque não consigo tirar e voltar a colocar os 'bidons' na bicicleta em andamento, por causa do braço, não tenho ainda essa agilidade e mobilidade... Comi barritas, pedi água nos abastecimentos, levei com muito pó e pedras, e o calor insuportável ia crescendo à medida que o tempo passava.
A prova teve imensas descidas e isto foi bom para me fazer soltar mais e perder parte dos medos que tenho instalados em mim por causa de "A Queda". Fiz todas as descidas com o máximo cuidado mas à medida que me aproximava do fim ia-me sentindo mais solta.
E agora o porquê do título deste 'post'...? É que apesar de ter ido acompanhada, fiz a prova completamente sozinha. Durante 96% do percurso não vislumbrei ninguém à frente, atrás ou dos lados. Fiz a prova por minha conta, sem apoios ou incentivos morais ou palmadinhas nas costas. Fiz a prova toda sozinha e assim sendo foi uma terapia de choque em relação às descidas e ao percurso e a tudo, nem consigo explicar bem isto...
Bem sei que não tive uma prestação brilhante mas também éramos só três mulheres a participar e uma delas em mais quilómetros do que eu e a outra atleta (que me pareceu algo profissional...) pedalámos. 
Claro que demorei imenso tempo até porque quase no fim enganei-me no percurso, fiquei irritada, enervada, e com isto cheguei uns quinze minutos mais tarde à meta do que era possível ter chegado.
No meio de duas mulheres participantes, escusado será dizer que fui a segunda classificada e mesmo que demorasse um dia inteiro, seria sempre a segunda classificada e por isso até achei "esquisito" estar ali, em frente de tanta gente, a receber um prémio de 2.ª Classificada numa Meia Maratona de BTT...
Como digo, o que eu queria era saber se era capaz de ir e concluir a prova, e fui e consegui...
Não sou pró das pedaladas, já antes de "A Queda" não o era e agora muito menos o sou... Claro que fico irritada por demorar tanto tempo mas tenho que pensar que ainda estou em recuperação e que voltei a pedalar há pouco mais de um mês e que não vou ao ginásio há cinco meses...
De qualquer forma gostei de ir, de estar em boa companhia entre amigos, de comer bem e de passear e conhecer novos trilhos...
Quanto a mim, vou ver se consigo deixar de ser tão crítica comigo mesma... Isto é apenas um passatempo, não ganho a vida a pedalar e não estou a 100%... Como disse o "meu" Ortopedista na consulta da semana que passou, a fractura pode estar consolidada mas não me dá ainda 'alta' no sentido de eu estar completamente bem e recuperada. A Fisioterapia é para continuar e lá para o fim de outubro voltamos a fazer raio-x e a ter consulta...

1 comentário:

Carla Isabel disse...

Tens que te aceitar minha querida!

E aos poucos vais recuperando a tua forma fisica e emocional ..isso de dar uma queda dessa maneira deve ser terrivel, nao so a nivel fisico como também emocional...

Beijinho