quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Sabem quem é que tinha razão...?

Era o meu pai.
O meu pai sempre foi uma espécie de pessoa "prevista" em relação ao futuro, às pessoas em geral e em relação a algumas em particular.
Do alto da minha arrogância e egocentrismo próprios da idade (mais nova uma série de anos...), durante muito tempo achava aquilo tudo que o meu pai me dizia uma grande seca. Muitas vezes até 'soprava' tal era o "enfartamento" de estar a ouvir certas 'lições'. Achava um exagero e que eram manias do meu pai, um chato, portanto.
Alguns anos mais tarde a minha arrogância de sabe-tudo foi desaparecendo com os anos, com as quedas (e não me estou a referir à da bicicleta que já aconteceu quando o meu pai não estava entre nós), com as desilusões, com as patadas da vida e das pessoas, comecei a pensar naquilo que o meu pai me dizia... Comecei a compreender tudo o que dizia, a entender, a assimilar e a dar-lhe razão...
E agora, à medida que o tempo passa e que o meu pai já não está comigo, cada vez mais me lembro de tudo o que me dizia e de como afinal tinha (tanta) razão. É como se o meu pai fosse uma espécie de bruxo, de vidente, porque tudo aquilo que me disse se concretizou ou está para se concretizar. As circunstâncias e as pessoas estão a dar-lhe toda a razão e mais alguma e agora já não posso dizer ao meu pai que, afinal, ele tinha razão. Que era verdade tudo aquilo que me tentou dizer e ensinar e ao qual eu não ligava nenhuma...
Arrogante e mimada, com vinte e poucos anos, queria lá eu saber ou percebia lá eu alguma coisa da vida, das relações e das ralações, das pessoas, do ser humano, do ser mãe, do ser mulher, do viver a vida.
Com vinte e poucos anos eu era boa pessoa mas muito fechada no meu mundo e a pensar que tudo era cor-de-rosa.
Que chato pai, pensava eu.
Que sábio pai, penso eu, agora e aqui.
Não falhou em nada do que disse e previu. E eu nunca o entendi, sempre o enfrentei como se fosse ele quase o meu pior inimigo. Quantas e quantas vezes chocámos nas opiniões e nas posturas. Que cega eu estava e pior cego é aquele que não quer ver.
Abri os olhos pai e agora tu já não podes abrir os teus.
A vida é fo***a, principalmente sem ti, pai...

Sem comentários: