segunda-feira, 9 de junho de 2014

A minha ideia era fazer 50 kms...

Tenho estado a pensar em como escrever este post de forma compreensível porque, pelos meus relatos por aqui, é sabido que já pedalei mais ou os mesmos quilómetros que fiz ontem e por isso pode não dar para entender 'muito bem' o que a seguir vou escrever...
A minha ideia ontem, para a pedalada matinal de domingo, era fazer à volta de 50 kms. Nos meus treinos habituais, e sozinha, costumo pedalar 35/40/45 kms e, ultimamente, 50/55 kms.
Ah, mas isso não é nada de especial, pensarão muitos.
Pois não, mas para mim é. Relembro que os quilómetros a que me refiro são em terra e seus derivados e respetivos obstáculos, estou portanto a falar de BTT, e não em estrada...
Vai daí que realmente já pedalei 85 kms, 60 ou 65 kms realmente, mas acompanhada e dessas vezes senti-me algo 'farta'...
É verdade, nunca me deu para treinar (sozinha) distâncias maiores por falta literal de tempo e de disponibilidade (sou mãe, mulher, 'dona de casa' e trabalho a tempo inteiro, certo...?), por falta de pachorra e porque nalgumas distâncias maiores me senti cansada, sem estar em forma para tal e porque na minha mente sempre abundaram os pensamentos de que era demais para mim, que não conseguia, como se eu não "merecesse" pedalar mais quilómetros...
Pois bem, ontem estes fatores que me têm "impedido" de pedalar mais quilómetros foram 'combatidos'... Acordei  muito cedo, pus-me ao caminho, meti na cabeça que queria fazer mais quilómetros e, muito importante, acreditei em mim mesma e que o conseguiria fazer.
Pai e filho dormiam quando às 8h30 estava pronta e a sair de casa montada na minha bicicleta e tendo por companhia apenas e tão somente a minha pessoa...
E lá fui. Fiz muitas subidas no percurso e quando cheguei a uma parte em que ou virava para casa ou virava para um sítio que me ia fazer pedalar mais quilómetros, optei pela segunda opção, acreditando que conseguiria, que não me iria sentir farta ou cansada ou que, no limite, se tivesse que me atirar para o chão por causa do cansaço, ligaria ao pai lá de casa para me ir buscar de carro...
E lá continuei a minha pedalada solitária. Parei a meio para tomar café, acho que soube dosear o esforço, a hidratação e a alimentação. No bolso levava dois géis energéticos e de reposição de sais, uma banana, e um bollycao (!!!), para além da bebida isotónica. Eis-me a pedalar com tudo isto nos bolsos de trás do jersey ciclista e conforme o tempo e os quilómetros passaram ia ficando mais leve.
Não encontrei quase ninguém pelos caminhos de terra pelo que às tantas me perguntava se seria maluca por andar por ali a pedalar sozinha mas, que posso fazer, sabe-me bem esta solidão e os pensamentos que vou tendo ao levar com o vento na cara e ao ver o mar...
Comecei até a estranhar por não me sentir cansada mas de facto a fé em mim mesma deve ter sido muito superior porque me aguentei sem desesperos...
Para lá fui por trilhos e para regressar a casa, para ser mais rápido, fui pela estrada 'normal', sempre sozinha... E é por tudo isto que para mim esta pedalada foi um ato de superação de mim mesma. Não quero saber se fui lenta, se para os ultra prós não tem nada de especial e são poucos quilómetros ou se demorei muito tempo, pois para mim foi mais importante o facto de conseguir pedalar tantos quilómetros num tempo razoável, sem me sentir cansada ou farta. Foi como se tivesse qualquer coisa ligada às perninhas.
Não quero saber se por mim passaram inúmeros ciclistas com as suas bicicletas fininhas de estrada, leves e airosas, todos a ultrapassarem-me e a pedalarem mais rápido do que eu na minha bicicleta pesadona e cavalona de BTT... Pouco importa porque realmente ontem estava em competição comigo mesma e não com os outros...
Fiquei feliz e satisfeita comigo mesma, ena, que egocentrismo...
 
Os factos foram os seguintes:
 
- 63 Kms pedalados em 3h52mns com uma média de velocidade de 16.3 kms/hora,
- Atingi a velocidade máxima de 50 kms/hora (numa descida em alcatrão, lembro-me perfeitamente porque estranhamente não tive medo...),
- A média de batimentos cardíacos foi de 149 e a pulsação máxima atingida foi de 181 bpm,
- Altimetria: 811 mt (Ascent) e 808 mt (Descent),
- Calorias gastas: 2220 calorias, o que significa que pude almoçar à vontade a feijoada que tinha deixado pré preparada. Depois foi só chegar a casa e terminá-la (a bela da feijoada)...
 
Note to self: durante o percurso, não sei porquê (quer dizer, sei...), lembrei-me e pensei muito no meu pai... Quase que o sentia... Esteve constantemente na minha cabeça... 
 

Sem comentários: