sexta-feira, 25 de julho de 2014

Pois que então fui apanhar vento na mona

É verdade. Lá me decidi e saí do trabalho rumo a casa onde depressa mudei de roupa e peguei na bicicleta para dar uma volta que sabia, à partida, ser pequenita, ainda que continuasse com o desafio dos quilómetros na cabeça... 
Afinal, eram quase horas de jantar e já me basta estar fora tantas horas a trabalhar e longe do filhote...
Bom, fui então com o conta quilómetros na parte do tempo para ir controlando o tempo que passava e o que me restava. A ventania não ajudava a pedalar depressa mas sempre que podia, e conseguia, ganhava ritmo e pedalava depressa...
Ride like the wind, pensei... Mas como, se o wind está tão forte e contra mim... Mas o wind, o see the sea e a bike fazem com todos os problemas pareçam desvanecer-se por momentos...
Há sempre instantes de segundo em que fecho os olhos, como que para sentir ainda mais o vento e a pedalada em mim. O silêncio reina à minha volta, não vejo nem encontro ninguém, só eu e o barulho silencioso do vento e o som apaixonante das rodas, dos pneus que calcorreiam a terra. E de repente parecemos estar ali numa simbiose quase perfeita. O vento, o mar, a bicicleta, a terra, o silêncio, e eu nos meus pensamentos absortos...
Foram 20 quilómetros numa hora. Soube a pouco. Melhor que nada...

1 comentário:

rosa_chiclet disse...

sempre deu para alguma coisa..
e com essa vista tudo se faz :)

kisses**+