quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Bagageira (quase) cheia...

De manhã, nas correrias habituais, é dia de ter a bagageira quase cheia. Carrego um carrego como se fosse uma carregadora de cargas, nada a que não esteja já habituada. Coisas de mãe que impreterivelmente leva o seu filho todos os dias de manhã à Escola.
Quer-me parecer que as pessoas que têm "folgas" nalgumas destas rotinas não lhe dão o devido valor. Há quem tenha os pais-avôs, os sogros-avós, ou até o marido para levar as crianças à Escola. Eu não. Não tenho ninguém por falta dessas pessoas ou no caso do pai, por causa dos seus horários de trabalho. Portanto, cabe-me a mim a tarefa e a rotina diária de levar filhote à Escola. E é claro que é algo de que gosto, não quero ser mal interpretada. É só que há dias, como o de hoje, em que me sinto uma mula de carga.
Levei para o carro o malão do ginásio com as minhas coisas para me exercitar, a minha mala e um saco meu com o lanche. Depois a mochila extra pesada do filhote, o seu saquito do lanche e ainda uma mochila para uma atividade extra.
Carrega, descarrega. Carrego tudo até à Escola e depois segue o filhote, corredores dentro, tão 'pequeno' e tão carregado.
Aceno, venho embora.
A música alta no carro faz-me ficar com vontade de me exercitar mas não posso, tenho que seguir para o trabalho. Penso que me exercitei no domingo quando pedalei durante três horas, e que hoje, em princípio, será dia de me exercitar, ou pelo menos assim o espero.
Exercitar faz-me pensar em nada. Tira-me anos de cima, faz-me sentir para aí com uns 23/25 anos. Quando pedalo freneticamente no Cycling ou quando danço no aquecimento doutras aulas, regresso aos anos em que fazia Aeróbica e Step. Naqueles momentos preciosos tenho quase menos 20 anos, não tenho preocupações, nem chatices, nem contas para pagar. Só existo eu. É o meu momento egocêntrico em que não tenho que pensar ou fazer mesmo nada.
O tempo passa tão depressa que ao entrar nos quarenta dou conta que, provavelmente, mais de metade da minha vida já passou...
E depois...? E o resto...? E a minha vida e o que foi feito dela...

Sem comentários: