terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Não há volta a dar...

Não há volta a dar. O meu braço direito nunca mais se voltará a esticar, seja para cima, seja para os lados ou para trás. Não dá. Ponto final, parágrafo. 
Apesar de sempre o saber, parece que andava sempre com esperanças de que as coisas se alterassem e melhorassem, mas não. 
Vou ao ginásio e quando faço as aulas com exercícios que implicam movimentos mais específicos do braço e/ou do ombro, não dá. E ao invés de ficar frustrada e prostrada, sinto-me enraivecida, esforço-me ao máximo, não paro mas voltamos ao mesmo. O braço nunca mais se irá esticar na totalidade, principalmente para cima e para trás da cabeça. O outro braço sim, prossegue e estica-se. Que frustração, que raiva... Raiva essa semi exorcizada na passadeira onde estive antes da aula e corri durante 20 minutos. Quase que 'bufava' da boca, num gesto grosseiro de quem está com uma quase fúria de boi enraivecido, com ninguém em particular, apenas com partes da vida...


Sem comentários: