segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Bem-vindos ao meu mundo...

  • O meu mundo que está ligeiramente acima da média no que a tamanhos e a alturas diz respeito... 
  • E vai daí que desde (mais ou menos) os 13 anos (sim, com 13 anos tinha 1,80 mt...) que me lembro de cenas como esta da fotografia tirada no fim de semana, numa fila para pagar qualquer coisa numa loja de roupa algures no Oeste... 
  • Esta imagem retrata bem a minha realidade do dia-a-dia, pelo menos no nosso país...
    Desde novinha que me sinto um pouco um E.T. (extraterrestre...) por ser quase sempre a mais alta nos sítios onde me "movimento".
  • Fosse na Escola, em cursos, formações, ao pé de casa, entre amig@s, no emprego, no ginásio ou pura e simplesmente a caminhar na rua, lá ia (vou...) eu lá em cima...
    Com a idade, alguns traumas passaram mas não todos, há reminiscências e memórias menos agradáveis que ficam e estão guardadas cá no canto do meu cérebro e coração... Houve quem gozasse muito comigo por causa da altura, recordo-me de no 7.º ou no 8.º ano, já não sei bem, portanto, com 12 ou 13 anos, me chamarem "Lady Vassoura", porque era muito alta, magrinha e tinha o cabelo liso e comprido...
  • Se hoje em dia é pouco comum uma mulher ser assim tão alta, imagine-se no início da minha adolescência, em meados de 1987/88, em que não havia a informação nem os meios de comunicação que existem hoje em dia...
    Na altura achava-me desengonçada e sem graça nenhuma e que era por causa da minha altura que eu não tinha namorado e as minhas amigas (quase) todas tinham, que a minha altura afugentava as pessoas e amedrontava quem por mim passava como se eu fosse um mostro...
    Tantas tontearias que nos passam pela cabeça quando somos adolescentes, não é...
    Hoje em dia olho para as minhas fotografias da altura e concluo que afinal até era uma miúda gira, engraçada, que se vestia bem, com um cabelo  bonito, era magra apesar de comer que nem uma alarve, e, pasme-se, tinha excelentes notas... 
  • Enfim, esses tempos já lá vão e, realmente, já não me acho um monstro mas noto sempre, aqui ou acolá, um olhar ou outro de 'espanto' pela minha altura e tamanho...
  • Sinto-me tão livre quando estou fora de Portugal porque parece que há muitas mais pessoas (mulheres) como eu e ninguém se importa com o meu metro e oitenta, sou apenas mais uma a passear, a tirar fotos e a andar por ali...

2 comentários:

Pedro disse...

A que estava à frente da de óculos e que mal se vê na foto, ainda era mais baixinha.
Oh tola, complexadas, deviam ser as minorcas :)

Algures no Oeste disse...

Pedro: pois, realmente eram duas senhoras muito baixinhas...
Quanto aos complexos, acredito que as "minorcas" também os tenham, afinal, os opostos têm sempre este tipo de... "problemas"...
Contudo, a minha altura sempre se destacou por não ser comum, por fugir da média, por não ser usual, e as pessoas lidam mal com o que é diferente...
Beijinho :-)