terça-feira, 31 de julho de 2018

Slide...

Por estes dias, aquando duma ida à casa da minha mãe, deu-me para ir vasculhar nas antiguidades que estão lá por casa e vai daí que fiz esta grande redescoberta: a máquina de projetar slides que conta já, mais coisa, menos coisa, com 25 anos, como é possível... 
Lembro-me muito bem do meu pai chegar a casa todo entusiasmado com a máquina e eu, por arrasto, e na parvoíce dos meus 18-19 anos, e como adorava fotografia, fui na onda.
O ritual de retirar o quadro grande da parede para podermos projetar os slides, era algo quase épico mas que nos (re)unia e era muito engraçado.
A excitação maior foi ver projetadas as fotos, quer dizer, os slides das férias, no caso, em agosto de 1993, na Costa da Caparica, como 'atesta' a etiqueta produzida por mim e colada na caixinha de slides, como se pode ver aqui numa das fotos.
Eu era assim, muito metódica e organizada, e muito cuidadosa com tudo para nada se estragar. A prova é de que a máquina e as caixinhas com os slides estão devidamente arrumados, organizados e quase intactos.
Foi com alguma pena e tristeza que constatei que a máquina funciona mas a luz do projetor está fundida, o que não permitiu que se vissem os slides.
O meu filho nunca tinha visto uma máquina de projetar slides e não sabia o que eram slides, vai daí que perguntou logo o que eram slides...
Lá lhe expliquei, ficou muito curioso, ajudou-me a ligar a máquina e a colocar os slides de forma a serem projetados pelo que foi algo frustrante quando constatámos que a luz estava fundida...
Agosto de 1993, Costa da Caparica... Belos tempos... 
Tinha 19 anos e zero quilos a mais apesar de enfardar que nem um javali e comer tudo o que me apetecia.
Não andava de bicicleta e faltava ainda um ano para ter carta de condução.
Tinha passado para o 2.º Ano da Faculdade e tinha uma vida leve e airosa.




2 comentários:

Pedro disse...

Tenho um projector mas é bem mais velhinho do que esse. Deve ter a minha idade ou algo parecido. Às tantas até para mais do que para menos. A última vez que o liguei, ainda funcionava tudo. Ainda tenho umas centenas de slides que há uns anos me dei ao trabalho de digitalizar. Com jeitinho, ainda arranjas uma lâmpada para isso.
Coisa jeitosa, essa de espreitar para dentro da lente do projector. Se fosse só mau contacto e acendesse de repente, lá ia a retina. No mínimo, eram umas horas a ver tudo branco desse lado.

Algures no Oeste disse...

Pedro: Nesse caso, já é mesmo uma relíquia :-)
Também estou em crer que ainda vou arranjar uma lâmpada para ali.
Quanto ao espreitar, pois é, mas a curiosidade falava mais alto...
:D